Comentários [0]

Essa dica é para os padeiros: 50 a 100 profissionais de panificação e confeitaria franceses podem vir ao Brasil para ministrar cursos. Interessado? Saiba mais neste LINK.

Zé Catral
Fonte: padariamoderna.com.br
Foto: Divulgação

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 18 de abril de 2012.

Comentários [0]

As padarias, cada vez mais, se tornam centros gastronômicos, lojas que vão muito além do pão e café e oferecem um grande número de produtos de conveniência. Em alguns casos, as padarias se tornam um pequeno mercado, em outros, um pólo gastronômico, com delicatessen e área para refeições.

Uma pesquisa do Sindicato da Indústria de Panificação do Estado de São Paulo (Sindipan) identificou um percentual de 15% de padarias com algum tipo de conveniência no estado, refletindo esse processo de adequação ao novo tipo de público, mais exigente, que busca conveniência e praticidade. A maior prova dessa tendência é o café.

Na superpadaria Maria Louca, localizada em São Paulo, circulam diariamente 2.500 pessoas, e esse número ultrapassa os 3.000 aos finais de semana. Francisco Costa, proprietário do estabelecimento, acredita que pelo menos 20% dos clientes foram fidelizados através café espresso. Segundo Costa, a venda de bebidas feitas com café representa 5% do faturamento da Maria Louca e impulsiona a venda de outros produtos. “Temos um cardápio de bebidas preparadas com café de alta qualidade. Recebemos clientes que vêm durante o dia tomar um café e acabam consumindo outros produtos, como um pão de queijo ou um pedaço de bolo. Por isso, atribuímos ao café uma responsabilidade ainda maior sobre o nosso faturamento”, diz.

Sentindo nessa diversificação um novo nicho, diversos fornecedores de café participaram da Feira Internacional da Panificação, Confeitaria e Varejo Independente de Alimentos (Fipan). A torrefadora Café Gourmet Santa Mônica já possui em sua carteira de clientes algumas padarias. “O panificador vem privilegiando cada vez mais o espresso, por ser um produto até três vezes mais rentável em relação ao café coado, que vem perdendo espaço nesse setor”, diz Arthur Moscofian Jr., diretor da Santa Mônica.

Algumas casas acham o investimento alto e não oferecem um café de qualidade. Segue então um cálculo para verificar as despesas e receitas básicas geradas pelo serviço:

– Um café gourmet custa cerca de R$ 28,00/kg. Se cada bebida preparada consumir no máximo 10 g do produto, o custo será de R$ 0,28/xícara.

– Se o preço no cardápio for de R$ 2,90/xícara, o lucro é de R$ 2,62/xícara.

– O aluguel de uma boa máquina de espresso com três grupos (que faz até seis cafés por vez) e de um moinho custa em torno de R$ 450,00/mês.

– Se a padaria servir cerca de 500 xícaras/dia (15 mil xícaras/mês), a receita será de R$ 39.300,00/mês, menos o valor do aluguel dos equipamentos, o lucro líquido é de R$ 38.850,00/mês.

Preparado para começar as mudanças para transformar sua padaria em uma superpadaria?

Zé Catral

Fonte:  revistaespresso.uol.com.br

Foto: Divulgação

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 15 de março de 2012.

Busca
Mais consultados
Conheça o nosso site
Vídeos
Curta nossa Fanpage
Siga-nos no Twitter
Ofertas exclusivas por e-mail