Comentários [0]

Montar uma lanchonete é uma das ideias mais comuns de quem pretende abrir uma empresa, tanto pela simplicidade do negócio, tanto pela ausência de crises no setor alimentício. Contudo, esse negócio não é tão simples, e três a cada cinco lanchonetes abertas fecham no primeiro ano de funcionamento. Por isso, a Catral trouxe dicas para te ajudar a ter sucesso com esse negócio. Confira!

 

como-abrir-uma-lanchonete-montar-dicas-negocio-empresa

 

Tenha planejamento. Crie um plano de negócios eficiente e, nele, faça uma análise da concorrência, defina o público-alvo, calcule o investimento e decida como serão os primeiros 5 anos de empresa. Saber como você vai agir para pagar as contas e manter o negócio até começar a lucrar é indispensável.

 

Escolha bem o ponto. Analise bem a região onde deseja abrir a sua lanchonete e, depois de muito estudo e pesquisa, escolha o melhor ponto. Mas lembre-se que não é porque não existe nenhuma empresa do ramo num bairro que a sua lanchonete dará certo ali. Talvez, naquela região não há demanda, então não vale a pena criar a oferta.

 

Defina o cardápio. Para alcançar o sucesso, sua lanchonete deverá servir comida boa e de qualidade, com preço justo e higiene. Opte por pratos rápidos e pré-definidos, para conseguir ter maior agilidade no momento do preparo.

 

Dê uma cara para o seu negócio. Crie uma identidade para a sua lanchonete e respeite o que você propor. Se a loja estiver numa área comercial, vale a pena oferecer pratos prontos na hora do almoço e porções e bebidas no fim do expediente, além dos lanches, para aproveitar as oportunidades. E não se esqueça que loja fechada não paga aluguel. Por isso, é preciso aproveitar o maior tempo possível para permanecer aberta e vender.

 

Ofereça um bom serviço e tenha paciência. Mesmo oferecendo o melhor ambiente, o melhor cardápio e o melhor serviço da região, vai demorar um tempo até sua lanchonete conseguir se estabelecer no mercado. Segundo especialistas, demora cerca de um ano para a empresa se pagar e começar a dar lucros. Portanto, o primeiro ano é o mais difícil, e nele você não vai perder, nem ganhar, só pagar as contas. Contudo, se confiar no seu plano de negócios e ser paciente, conseguirá obter sucesso.

 

Com tudo isso em mente, você já pode começar a fazer o seu plano de negócios e adquirir os equipamentos. Na Catral, você encontra os melhores produtos do mercado, pois temos uma área feita especialmente para quem deseja abrir uma lanchonete. Confira AQUI.

 

Zé Catral

Fonte: PME.

Foto: Divulgação

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 6 de junho de 2013.

Comentários [0]

Não tem coisa pior para uma mãe que ir trabalhar fora e deixar o filho com outra pessoa, né? Por isso, muitas mulheres estão abrindo suas próprias empresas e arriscando em áreas até relacionadas com a maternidade para poderem ficar mais tempo com seus filhos. Confira!

 

Mother and baby in home office with laptop

 

Segundo o consultor Gustavo Carrer, do Sebrae-SP, a maternidade faz com que a mulher tenha contato com produtos e serviços que antes não conhecia, o que permite que ela tenha ideias de negócios.

 

“Isso amplia horizontes e pode ajudar a identificar uma oportunidade de negócio. Além disso, a pausa necessária no trabalho e a experiência intensa de ser mãe faz a mulher rever seus planos de carreira e de vida e pode levar à decisão de empreender”, afirma.

 

E foi assim a história da advogada Helena Toledo, de 37 anos. Quando estava preparando o enxoval do bebê, não se sentia confortável nas lojas de produtos infantis, tanto pela estrutura, quanto pelo atendimento ruim.

 

Então, no período de licença-maternidade, Helena foi amadurecendo o sonho antigo de ter um negócio próprio e, depois de 11 meses do nascimento do bebê, abriu a loja de artigos infantis Baby Stuff, em São Paulo, que conta com vendedoras especializadas, “espaço kids” e estacionamento para cachorros.

 

Eu estava cansada da minha profissão e sempre quis empreender, só não sabia em que área. Encontrei a oportunidade quando vi que minhas necessidades como consumidora e mãe de primeira viagem não eram atendidas”, diz.

 

Ter o próprio negócio não significa trabalhar menos. Segundo Carrer, o desejo de passar mais tempo com o filho é uma motivação importante para muitas mulheres. Contudo, elas devem estar cientes de que vão trabalhar muito e, em alguns casos, até mais que um empregado formal.

 

“Geralmente, elas escolhem atividades que permitem passar mais tempo com a criança ou aquelas em que podem levar os filhos até o local de trabalho, como um comércio perto de casa. Ela pode dedicar mais tempo ao trabalho, mas está mais disponível para o filho”, diz.

 

O mesmo aconteceu com Sarah Lazaretti, de 54 anos, que criou a Alergoshop, rede de franquias de produtos para alérgicos, porque não encontrava produtos para a sua filha, que tinha alergias e problemas respiratórios. E com a Ana Paula Harley, de 42 anos, que trouxe a franquia de educação americana FasTracKids para o Brasil, por causa do desejo de melhorar a capacidade de aprendizado de seus filhos gêmeos.

 

Gostou da ideia, vai se inspirar e abrir um novo negócio para poder ficar mais perto dos seus filhos? Passe na Catral e conheça nossos produtos. Temos os melhores equipamentos para a sua nova empresa! www.catral.com.br

 

Zé Catral
Fonte: Economia Uol.

Foto: Divulgação

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 24 de maio de 2013.

Busca
Mais consultados
Conheça o nosso site
Vídeos
Curta nossa Fanpage
Siga-nos no Twitter
Ofertas exclusivas por e-mail