Comentários [0]

Uma pesquisa realizada pelo instituto americano IBISWorld listou quais negócios de varejo estão mais aquecidos no momento. Para concluir a lista, os pesquisadores avaliaram os custos da pequena empresa, as barreiras de entrada e a receita esperada para este ano. Apesar de focado no mercado americano, o levantamento pode servir de inspiração para os empreendedores que pensam em começar um negócio no Brasil. Vale lembrar que toda empresa deve ter uma intensa pesquisa de mercado e um plano de negócios bem elaborado para aumentar as chances de sucesso.

 shutterstock_56396686

Pneus

Pode parecer curioso, mas os pesquisadores justificam a colocação de uma loja de pneus na lista dizendo que os consumidores mudaram. Segundo o estudo, muito americanos adiaram a compra deste produto durante a crise e agora buscam opções mais eficientes. No Brasil, a demanda deve ser crescente também.

Bolsas e acessórios

As mulheres lideram o consumo no Brasil. Segundo uma pesquisa da Serasa Experian, elas são maioria nos quesitos alto poder de compra, bons salários e atividade de crédito. Por isso, negócios que focam neste público são, geralmente, bem sucedidos. Os pesquisadores indicam que lojas de bolsas, acessórios e malas tendem a crescer mais do que outros tipos de negócios neste ano, com aumento de 5,5% na receita.

Arte

Abrir um negócio de quadros de pintores famosos, por exemplo, não é exatamente simples. Mas há, sim, muito mercado para outros objetos de arte de luxo, segundo o IBISWorld. Geralmente, o aumento do poder de consumo e o aquecimento da economia ajudam este ramo. Para os pesquisadores, este setor têm poucos custos e não costuma exigir muitos funcionários. Espera-se 4% a mais de receita neste ano para este tipo de empresa. No Brasil, em especial, crescem também as lojas de artesanato. Produtos feitos à mão e regionais se destacam em lojas físicas e também na internet e têm atraído inclusive a atenção de investidores estrangeiros.

Móveis

Apesar dos preços nas alturas, o mercado imobiliário não para. Os pesquisadores acreditam que os consumidores mais confiantes no cenário macroeconômico tendem a comprar ou reformar seus imóveis. De acordo com a pesquisa, a receita destes negócios deve crescer 3,4% no ano, contra uma média história de 3%.

Comida

Os negócios gastronômicos estão atraindo cada vez mais público. Com mais poder aquisitivo, a população pode também permitir-se um jantar fora ou mesmo comprar um ingrediente especial. Segundo a pesquisa, o potencial das lojas especializadas em alimentos, como empórios, é forte. Com um aumento de faturamento esperado de 2,3%, os donos de lojas deste tipo devem ver um aquecimento também nos próximos anos.

Screenshot_4 Freezer Horizontal Dupla Ação 2 Portas 546L DA550B Metalfrio
Por: R$ 2.299,00 à vista
ou 10x de R$ 299,90 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 2.184,05 à vista

Fonte: exame.abril.com.br.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 26 de fevereiro de 2014.

Comentários [0]

Começar um novo negócio requer planejamento e muita dedicação. Confira algumas dicas:

 shutterstock_141675481

Pesquise sobre o setor: Para os especialistas, os empreendedores multiplicam suas chances de sucesso quando investem em setores que já conhecem. Mesmo assim, é preciso fazer uma pesquisa aprofundada da área antes de começar um projeto. A primeira coisa é entender como é o setor e quais são as principais oportunidades, ameaças e tendências interessantes.

Encontre um diferencial: Não basta identificar uma área de atuação. Para que a empresa seja bem sucedida, o empreendedor deve focar em um diferencial. Um exemplo é como a tendência de enriquecimento da população pode gerar novas oportunidades. Isso gera ideias de como posicionar o negócio dele. É preciso identificar oportunidades e achar diferencial para o negócio.

Calcule o investimento: Já com um esboço do negócio em mente, é hora de calcular quanto investimento e qual estrutura a empresa vai demandar. Tente identificar e colocar no papel como vai ser estrutura e descobrir qual seria o investimento, incluindo estrutura física, mobiliários e pessoal.

Neste ponto, é importante pensar que uma empresa não é só aquilo que você enxerga como consumidor. Há toda uma estrutura por trás da fachada e também financeira para que o negócio sobreviva. Outra coisa que é importante é o capital de giro. Por isso, essa etapa deve ser feita como um planejamento financeiro. A partir da meta de lucro, elabore o plano financeiro detalhado de curto prazo para o próximo ano.

Conversar com outros empresários do mesmo ramo é uma boa forma de descobrir todos os custos do negócio. Precisa quantificar todo o dinheiro que vai precisar colocar no negócio. Se for de longo prazo, tem que aproveitar para guardar dinheiro ou buscar uma fonte de financiamento ou investidor.

Faça um plano de negócios: O próximo passo é colocar tudo no papel, no formato de um plano de negócios. Elabore o plano de negócios, que é mais abrangente e possui planos estratégico, de marketing e financeiro. Ele tem a função de avaliar se o negócio é viável ou não.

Além disso, é importante definir se vai tocar a empresa em paralelo com outra atividade, como o emprego atual. Tem que se planejar direitinho e ver se vai fazer enquanto está trabalhando. Precisa ir atrás da estrutura e recrutar gente. Buscar capacitação é uma coisa legal também. Isso já é um pouco o começo do negócio.

Fonte: exame.abril.com.br.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 5 de setembro de 2013.

Comentários [0]

A primeira coisa é identificar as mudanças que estão acontecendo e como você mesmo está passando a viver. O empreendedor, ao decidir por um negócio, tem que escolher se vai apostar em mercados conhecidos, onde a concorrência já está estabelecida e vai lhe sobrar a guerra de preços, mas que também oferece conforto por já ser conhecido e disseminado entre os consumidores, ou se vai arriscar novos rumos e explorar novas tendências.

shutterstock_137434049

Para quem escolhe a primeira opção, tudo bem. Basta apenas reduzir os custos e ajustar a margem para conseguir um lugar ao sol. Uma questão de administração e resultados nem sempre espetaculares, mas quase garantidos – se o negócio foi bem pensado e estruturado.

Para quem prefere a segunda opção, de descobrir mercados, criar hábitos de consumo e inovar, os resultados vem a longo prazo, mas são certos e possivelmente maiores. Mas a dúvida é: como descobrir o que está por vir?

 

Isso se deve a um exercício de análise, de pesquisa, de ir a campo, de entender os novos rumos e criar negócios a partir disso. Querem um exemplo? Sabemos que o ser humano quer viver por mais tempo e com saúde, sabemos que esse objetivo só é alcançado com alimentação, exercícios físicos, cuidados com a aparência, prevenção de doenças, ou seja, todos os mercados ligados a isso tem boas perspectivas. Quem trabalha com qualidade de vida, seja produto ou serviço, já tem meio caminho andado. E se vamos viver mais, significa que teremos mais idosos, certo? Outro grande nicho a ser explorado. O raciocínio é basicamente este.

 

Ah, claro, não podemos esquecer o efeito oposto a isso, a indulgência. Geralmente é quem faz concessões e escapa um pouco da rotina como forma de recompensa. Por isso, chocolates, brigadeiros, entretenimento e afins tem boa perspectiva de futuro. Dentro destes setores muita coisa já foi feita, mas ainda há muito a fazer. E é preciso descobrir oportunidades e brechas dentro deste contexto, unindo informações e analisando a sociedade de um jeito crítico, antropológico e rigorosamente científico – mas é claro que uma dose extra de sensibilidade é fundamental.

 

Somar condições pode ser ainda melhor. Que tal pensar em alimentos, passeios, academias, cosméticos e produtos para a terceira idade? Mas tire da cabeça a imagem de velhinhos de chinelo. A nova terceira idade quer viver experiências. Cada empreendedor vai descobrir um jeito particular de ponderar suas expectativas, o mercado que mais gosta e as previsões futuras da sociedade e do modo como vamos passar a viver.

 

Fonte: endeavor.org.br.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 21 de agosto de 2013.

Comentários [0]

Atire a primeira pedra quem nunca teve vontade de montar um negócio. Seja numa situação de desemprego, seja pela vontade de ganhar autonomia, todo mundo já foi cutucado pelo desejo de se tornar o próprio patrão. Mas a grande questão é: quantos desistem de colocar o seu sonho em prática? A maioria dos “aspirantes” a empresários, com certeza, joga a toalha antes mesmo de dar o primeiro passo. A razão está no medo. As pessoas têm pavor de investir seu dinheiro na montagem de um negócio e acabar perdendo dinheiro.

 

Um exemplo é que cerca de 27% das micro e pequenas empresas paulistas fecham as portas no primeiro ano de existência. Além dos ventos muitas vezes desfavoráveis que afetam a economia brasileira, a razão para o fracasso está na falta de planejamento. Com os pés no chão, a chance de vencer a insegurança e ser bem-sucedido aumenta muito.

 

Os que alcançam o sucesso são aqueles que identificam as oportunidades corretamente e tiram bom proveito delas. E que não se intimidam.

 

Apesar de todos os empecilhos, o número de pessoas que se aventuram em busca de seus ideais é grande no Brasil. Não é à toa que o país está sempre em lugar de destaque quando se fala em empreendedorismo.

 

Se você se inclui no universo de candidatos a empreendedores que têm vontade de montar um negócio, mas estão tomados pelo medo dos riscos e incertezas, faça uma visita à Catral, e conheça o departamento de equipamentos comerciais: bit.ly/O585LV

post

 

Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 26 de junho de 2013.

Comentários [0]

Seu varejo necessita de uma balança precisa e de confiança. A mais moderna linha de balanças da Toledo é imbatível, e só ela faz a balança Prix III Light!

Ideal para lojas de pequeno varejo, a Prix III Light também funciona perfeitamente em comércio de rua e feiras livres, seu formato compacto e leve e sua bateria interna recarregável com autonomia de até 170h tornam seu trabalho mais fácil e produtivo. Sua estrutura de aço inoxidável plano deixa a limpeza mais fácil e higiênica, nenhum cantinho fica escondido dificultando a higienização.

Com o maior display da categoria, a Prix III Light garante excelente visualização e fácil leitura dos dígitos, economizando até 10 vezes mais energia elétrica. Possibilita ainda o pré-empacotamento e fixação da tara e do preço por quilo entre as pesagens. Acople-a à impressora 351 e tenha impressão automática.

A Prix III light foi desenvolvida para proporcionar ganho de valor ao seu varejo, seja ele padaria, mercado, quitanda, restaurante ou loja de conveniência.

 

A balança que seu pequeno negócio precisa.

Balança Eletrônica Prix III Light Toledo
Por: R$ 499,00 à vista
ou 10x de R$ 49,90 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 474,05 à vista
 

 

Zé Catral
 
Fonte: Assessoria de Comunicação Catral
Foto: Divulgação

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 29 de agosto de 2012.

Comentários [0]

“Ter uma sorveteria é como estar na fábula da formiga e da cigarra. Tem que trabalhar o verão inteiro pra poder sobreviver no inverno”. Saiba aqui como uma rede de sorveterias de Minas Gerais conseguiu dar a volta por cima e reduzir problema de sazonalidade do mercado.

Zé Catral
 
Fonte: Revista PEGN
Foto: Divulgação

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 28 de agosto de 2012.

Comentários [0]

Quando falamos em luxo, imediatamente remetemos a coisas supérfluas e fúteis, mas esse não é o caso das padarias de luxo brasileiras. A crescente tendência trata-se de um trabalho tão artesanal que chega a ser confundido com arte.

A padaria de luxo é hoje, no Brasil, um negócio promissor, mas como qualquer novo negócio, alguns detalhes devem ser analisados. O ponto comercial é um fator essencial.  As padarias de luxo geralmente estão localizadas em bairros mais nobres da cidade, o habitat natural das classes mais altas. Mas abrir uma padaria de luxo requer muito mais que um bom ponto comercial.

produção nas padarias de luxo é completamente diferente da produção de uma padaria comum. Os ingredientes são orgânicos, finos e, consequentemente, mais caros. É improvável que você encontre artigos de mercearia e alimentos não perecíveis em uma padaria de luxo. As padarias de luxo são especializadas na produção e venda de pães, doces e salgados requintados. A fermentação de um pão francês em uma padaria de luxo leva cerca de 16 horas, a de um o pão francês normal leva 3. Mas, segundo os chefs e proprietários das grandes padarias de luxo, vale a pena esperar.

O público dessas padarias tem dinheiro, gosto apurado e é exigente. Ele espera encontrar um ambiente digno dos valores cobrados. Nelas, os lugares são poucos e disputados. Independente do tamanho e do estilo é necessário ficar atento a quatro detalhes: ponto comercial, qualidade dos produtos, decoração do ambiente e máquinas para padaria.

Equipamentos modernos, práticos e de fácil limpeza são essenciais para agilizar a produção em sua padaria. Ficou interessado no mercado de padarias de luxo? Então passe na Catral e confira nossas ofertas para Padarias.

 
Zé Catral
 
Fonte: Perfecta
Foto: Divulgação

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 27 de agosto de 2012.

Comentários [0]

Sabia que a o mercado de produtos saudáveis cresce 20% ao ano só no Brasil? Ao apostar em novos grãos e formatos para seus pães, a panificadora inova e leva mais informações aos consumidores, o que leva ao aumento do consumo. Leia mais sobre o assunto aqui.

 
Zé Catral
 
Fonte: Propan
Foto: Divulgação

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 22 de agosto de 2012.

Página 1 de 212
Busca
Mais consultados
Conheça o nosso site
Vídeos
Curta nossa Fanpage
Siga-nos no Twitter
Ofertas exclusivas por e-mail