Comentários [0]

Se você vai aproveitar a última semana de férias para acampar, confira as dicas sobre barracas que selecionamos para você:

 shutterstock_109039667

Seja para alta montanha ou para um camping na praia, as barracas estão sempre presentes nos abrigando das tempestades ou do sol escaldante. Nos dias de chuva contínua uma boa barraca é a garantia de equipamentos secos e noites bem dormidas.

Vários são os modelos de barracas que encontramos no mercado, cada qual com seus pontos fortes e fracos, cabe a cada um escolher aquele que melhor lhe atenda. Existe a barraca Canadense em formato triangular, com pouco espaço interno se comparada com os outros modelos além de ser muito pesada devido a sua armação que geralmente é feita de aço. Foi muito utilizada antigamente, mas atualmente está sendo substituída pela barraca Iglu que é constituída basicamente por duas varetas que se cruzam e que mantém a barraca armada, também têm boa resistência ao vento e não é tão pesada quanto às barracas canadenses.

A barraca Tubular tem formato de túnel, bastante resistente ao vento e leve devido à sua estrutura composta apenas de varetas curvadas. Possui bom espaço interno. Diferentes das barracas Iglu, as tubulares tem que ser especadas para que fiquem armadas.

A barraca Geodésica é semelhante à Iglu, mas com a disposição das varetas diferente para melhorar a resistência aos fortes ventos de montanha, normalmente são compostas de três varetas ou mais de alumínio 7075.

Condensação:

Este fenômeno acontece em quase todos os tipos de barracas, da mesma forma que acontece no banheiro quando tomamos banho quente e o vapor se condensa ao encontrar o azulejo frio acontece com a nossa respiração e com a transpiração do corpo que aquecem o ar no interior da barraca e o mesmo ao encontrar a superfície gelada do nylon se condensa. O problema da condensação é onde ela ocorre, nas barracas com sobre teto total a condensação ocorre no sobre teto escorrendo para o chão e não para o interior da barraca, diferente das barracas sem sobre teto onde a condensação acontece no nylon interno e escorre diretamente para o piso da barraca molhando os equipamentos e roupas que ali estiverem. A ventilação também é fator importante, pois quanto melhor for a troca de ar, menor será a possibilidade de ocorrer condensação.

Existem algumas características que variam dependendo do modelo de barraca e do fabricante:

Varetas: São a estrutura da barraca. Geralmente são conectadas internamente por um elástico que facilita na montagem e desmontagem. Normalmente são feitas de fibra de vidro oca ou de tubos de alumínio aeronáutico:

Fibra de Vidro: Mais barata que a de alumínio, porém mais pesada e frágil. É indicada para camping convencional onde as condições climáticas não são tão exigentes.

Alumínio: Feita de tubo de alumínio extrudado 7075 é mais leve e resistente que a fibra, ideal para situações de ventos fortes, neve e onde o peso faz diferença como em longas caminhadas ou escaladas de alta montanha.

Costuras Seladas: Garantem a impermeabilidade das costuras e protegem as linhas por mais tempo.

Nylon Rip-Stop: Trata-se de um tipo de nylon que se por ventura for perfurado impede que o rasgo aumente inutilizando a barraca, utilizado por poucos fabricantes de barracas nacionais.

Barracas sem Sobre Teto: As barracas são constituídas pelo corpo e pelo sobre teto, em algumas barracas o corpo é praticamente todo em nylon impermeável com uma pequena parte de tela na porta e no topo da barraca e o com um pequeno teto de nylon que cobre apenas a parte de tela do topo. Neste modelo a condensação é comum, pois a ventilação não é eficiente.

Barracas com Sobre Teto: Nas barracas que possuem o corpo de tela ou nylon respirável e sobre teto de nylon impermeável o problema da condensação é quase nulo, pois é criada uma camada de ar entre o sobre teto e o corpo, melhorando a circulação de ar e também possibilitando que a condensação ocorra no sobre teto e escorra para o chão e não para o piso da barraca. A distância que o sobre teto fica do chão faz diferença, quanto maior a distância maior é a ventilação, para climas frios é aconselhável que o sobre teto fique próximo ao chão mantendo assim o ar quente no interior da barraca.

Coluna d’água: Hoje em dia alguns fabricantes têm fornecido um valor para a impermeabilização do tecido, esse valor é resultado de um teste em coluna d’água e quanto mais alto mais forte é a impermeabilização, esse valor é especificado em milímetros, por exemplo: 1500mm. Valores entre 1000 e 1500 são suficientes para o clima brasileiro.

Tirantes: São pontos de reforço laterais que servem para dar mais estabilidade a barraca nos dias de ventania ou em temporais.

Tomadas de ar: Ajudam na ventilação da barraca e podem ser fechadas se necessário.

Avanço ou Avancê: Trata-se de uma área útil onde podemos deixar mochilas, botas, materiais de cozinha, etc. ou utilizarmos de cozinha em dias de chuva.

Cantos Reforçados: Os cantos são pontos de grande pressão nas barracas e alguns fabricantes procuram reforçar estas áreas.

Sobre teto Aluminizado: Alguns fabricantes costumam tratar o sobre teto com um pigmento aluminizado para melhorar o isolamento térmico, segundo testes esta pigmentação pode reduzir a temperatura interna em até 7ºC nos dias de sol forte.

Saia: Atualmente, as barracas voltadas para neve vêm acompanhadas com uma saia que pode ser enterrada na neve para impedir a ação dos fortes ventos e manter o ar quente no interior da barraca.

Como Transportar sua Barraca:

Geralmente as barracas vêm acompanhadas de uma sacolinha de transporte que é muito útil quando vamos acampar de carro ou quando não vamos nos locomover muito, mas quando surge a necessidade de acondicionarmos a barraca na mochila a sacolinha torna-se dispensável e a barraca pode ser dividida pela mochila. As varetas podem ir no lado de fora da mochila, na posição vertical enfiadas no bolso lateral inferior e presas nas fitas de compactação. O teto e o sobre teto podem ser colocados no fundo da mochila com os espeques.

Como Conservar sua Barraca:

· Nunca guarde sua barraca molhada ou úmida, isso pode causar mofo e inutilizar sua barraca.

· Procure não entrar com sapatos ou botas no interior barraca, evitando rasgos e sujeira.

· Procure sempre retirar pedras e galhos do terreno onde será armada a barraca; além do desconforto causado durante a noite podem perfurar o piso da barraca;

· Não utilize chamas dentro da barraca.

· Areia e sujeira podem causar sérios danos nos zíperes, mantenha-os sempre limpos, uma escova de dente é uma boa ajuda na hora da limpeza.

· Apesar de alguns fabricantes utilizarem um tipo de protetor solar nos tecidos a exposição prolongada da barraca ao sol e consequentemente aos raios UV altera a cor do tecido e degrada o tratamento impermeabilizante, esse efeito pode ser minimizado armando a barraca em lugares com sombra ou onde não bata sol o dia todo.

· Lave a barraca apenas com água e sabão neutro.

Dicas:

· Caso a barraca seja nova, monte-a em casa antes de ir para o campo evitando problemas inesperados.

· Antes de desmontar a barraca feche os zíperes, isso facilita bastante quando for dobra-la.

· Algumas pessoas têm o hábito de cavar canaletas em volta da barraca para drenagem da água de chuva, esta prática está obsoleta, pois degrada o local e traz sérias consequências para o terreno.

· Procure um terreno plano, terrenos inclinados causam desconforto durante a noite e podem ser passagem de água em caso de chuva, observe também se não há risco de alagamento.

· Monte a barraca no sentido do vento, isto ajuda a manter a estabilidade da mesma.

· Com o tempo a barraca pode perder um pouco da impermeabilização exigindo que o tecido seja tratado novamente, existem no mercado produtos para esta finalidade tais como NIKWAX, 3M, etc.

· Mantenha a barraca bem esticada evitando que o sobre teto encoste no corpo e molhe o interior.

E se vai acampar, não se esqueça de passar na Catral, e adquirir o Botijão Térmico Maxiterm Termolar:

   

Screenshot_1 Botijão Térmico 12 Litros Maxiterm Termolar
Por: R$ 129,00 à vista
ou 4x de R$ 32,25 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 122,55 à vista

Confira outros produtos no nosso site: http://www.catral.com.br/.
Zé Catral

Fonte: clubetrekking.com.br.
Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 22 de julho de 2013.

Comentários [0]

Qualquer viagem dos sonhos é possível. Basta ter uma meta e ser fiel a ela. Para quem está começando a pensar no destino de verão ou já está de malas prontas para curtir os dias de folga longe de casa, separamos algumas dicas que podem evitar que seus dias ensolarados provoquem um inverno de dívidas na sua renda pelo resto do ano.

post 1

O poder da negociação em grupo

 

Apostar em um pacote de viagem é sempre vantajoso. Aqueles que são “all inclusives” – que trazem embutido no valor final os gastos com alimentação são os mais recomendados.

 

Não caia na armadilha dos juros

 

Investir em pacotes de viagem é uma decisão esperta, mas fuja dos parcelamentos. Caso você ainda não tenha saldo bancário suficiente, vale economizar e comprar o pacote na data mais próxima da viagem.

 

Bate-papo de turista na internet

 

Para quem não gosta de seguir as regras de uma viagem em grupo, mas busca economia, a internet é uma importante aliada. Pesquisas em fóruns de discussão podem render boas dicas. Visitas aos sites de compra também podem revelar surpresas agradáveis.

 

Evite o pesadelo à beira-mar

 

O descanso na casa de praia com a família também requer cuidados especiais. Leve no bagageiro do carro a maior parte possível dos mantimentos que forem ser consumidos nas férias.

 

O preço da fidelidade

 

Para quem não dispensa as delícias de uma gastronomia típica, o caminho para conseguir descontos é aproveitar as vantagens da “fidelização”. Nas cidades que vivem de turismo, bares e restaurantes disputam a preferência dos visitantes e oferecem alguns mimos.

 

Ser pedestre ou motorista?

 

Outra pesquisa importante a ser feita no cálculo prévio do orçamento é verificar se vale à pena usar o meio de transporte público do destino escolhido, táxi ou alugar um carro. Em algumas cidades é preciso percorrer grandes trajetos para chegar aos pontos turísticos. E, muitas vezes, elas não contam com um sistema eficiente de ônibus e metrô e os táxis são caros. Nesses casos, fechar um pacote com uma empresa de locação de carros pode ser interessante.

 

Cuidado com o cartão de crédito

 

Nas viagens internacionais ou cruzeiros marítimos – que cobram em dólar, ainda que estejam em território nacional – os gastos no cartão de crédito devem ser evitados. Por mais que se calcule o preço final do produto fazendo a conversão da moeda, sempre há o risco de se assustar com a fatura no fim do mês.

 

Comprinhas perigosas

 

As taxas alfandegárias de cada país costumam ser altíssimas. O melhor é um estudo prévio sobre os impostos locais é indispensável. Outra boa dica é estabelecer um limite para gastos diários com as compras.

 

Verdinhas no bolso

 

Deixar para última hora a compra dos dólares ou dos euros a serem gastos na viagem não é decisão acertada. O ideal é adquirir um pouco por mês até a data da partida.

 

Comece já a reorganizar sua vida financeira

 

Para quem está planejando uma grande viagem e conta com prazo para juntar dinheiro, a renda mensal deve ser dividida em três partes iguais. A primeira destinada aos gastos básicos, como alimentação, transporte e contas da casa. A segunda com entretenimento, como idas a restaurantes, cinema e vestuário e a terceira parte é composta pelos gastos com acúmulo de patrimônio.

 

E para quem vai curtir as férias em casa, que tal preparar um delicioso churrasco com os amigos com essa churrasqueira: http://bit.ly/UmDvWz

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 1 de julho de 2013.

Comentários [0]

É muito comum as pessoas levarem coisas desnecessárias para acampamentos e deixarem para trás o que é essencial. Separamos alguns itens para que você tenha um acampamento feliz.

1340898163814

Essencial:

– Mochila, barraca, saco de dormir, isolante térmico;

– Bota ou tênis com bom solado. Dependendo da caminhada, é aconselhável o uso de uma boa bota (de preferência com cano alto) para evitar torções e dedos machucados;

– Bastão de caminhada. O bastão te dá equilíbrio nas subidas e descidas difíceis e alivia um pouco a pressão nos seus joelhos;

– Cantil com água e recipiente para mais água;

– Panelas (dê preferência às de teflon que são fáceis de limpar), talheres, copo/caneca;

– Botijão térmico, que você encontra na Catral: http://bit.ly/12en4Nl

– Pederneira ou isqueiro;

– Camisetas (de preferência as que secam rápido), calças (dê preferência às calças ou bermudas que você pode adaptar ao clima);

– Roupas de frio, se necessário;

– Roupas íntimas extras, meias extras;

– Saquinhos plásticos para você armazenar seu lixo e trazê-lo de volta;

– Toalhinha caso queira lavar o rosto e axilas ou tomar um banho rápido no frio da montanha;

– Câmera fotográfica, pilhas ou bateria extra e cartão de memória com espaço suficiente para muitas fotos;

– Lanternas de cabeça e de mão;

– Kit de primeiros socorros;

– Chapéu / boné, gorro / luva / cachecol;

– Remédios que você toma regularmente;

– Seus documentos.

 

Alimentação:

– Caixa térmica: http://bit.ly/16vaARw

– Abuse dos liofilizados. Eles são mais caros, mas são práticos e sustentam muito bem;

– Macarrão e outros alimentos instantâneos. Eles cozinham rápido e geralmente dão energia. Cuidado com os feijões, pois eles dão muitos gases e isso pode ser um problema se você tiver companhia na barraca;

– Barra de cereais, castanhas e nozes, chocolates em barra;

– Sanduiches (cuidado com recheios que estragam com facilidade), biscoitos;

– Açúcar e sal;

– Leite em pó / chocolate em pó / cappuccino / café instantâneo, queijo parmesão;

– Salaminho e afins.

 

Higiene, saúde e segurança:

– Protetor solar, protetor labial / batom;

– Desodorante, hidratante, repelente;

– Escova e pasta de dentes, fio dental;

– Toalhas umedecidas;

– Água oxigenada, mertiolate, gaze, algodão, esparadrapo, band-aid;

– Remédio e pomada para dores musculares;

– Papel higiênico;

– Apito.

 

O que é uma boa ideia levar:

– Chinelos;

– Óculos de grau;

– Lentes de contato com pote para armazenamento e produto para limpeza;

– Binóculos;

– Agulha e linha;

– Celular;

– Sacos estanques para proteger itens como saco de dormir e câmera fotográfica;

– Bússola, termômetro, altímetro;

– Pente.

 

O que não levar:

– Som para colocar alto e torrar a paciência de quem quer descansar e observar o silêncio. Se você faz questão de ouvir música, leve um fone de ouvido;

– Fogos de artifício;

– Bebida alcoólica. Por quê? Os acampamentos na natureza são locais para se apreciar a energia que emana dela e não para você encher a cara e dar trabalho para os colegas. Se quiser beber, fique em casa e tome quantas quiser. Além disso, o álcool expulsa o calor dos órgãos internos para a pele, especialmente do coração. Trás uma falsa sensação de calor, mas se seus órgãos esfriarem num dia frio, você corre o risco de morrer de hipotermia. Álcool em acampamento de inverno é um perigo para o corpo!

 

Antes de sair para a sua caminhada, pese sua mochila e verifique se você não está carregando mais do que o seu corpo aguenta. No início tudo são flores, mas depois das primeiras subidas, quaisquer 200 gramas podem fazer diferença no peso que está nas suas costas. Avalie bem o que é realmente necessário e tire da mochila o que puder dispensar. Com a mochila mais leve você caminha melhor, mais rápido e não força tanto seu corpo.

 

Fonte: viagenseandancas.com.br

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 24 de junho de 2013.

Busca
Mais consultados
Conheça o nosso site
Vídeos
Curta nossa Fanpage
Siga-nos no Twitter
Ofertas exclusivas por e-mail