Todo supermercado é assombrado pela ideia de prejuízo e quebra. As perdas causadas por mercadorias estragadas, danificadas e furtadas , em alguns casos, superam a média do total de vendas. A grande questão é: como reduzir esse problema? Veja alguns passos que sua empresa pode seguir.

 1º Organizar as informações. Adotar um sistema de gestão integrada para permitir controlar processos de compra, venda e logística. Definir (e iniciar) o acompanhamento de indicadores de perdas.

 2º Realizar inventários regularmente. Identifica as perdas, apura as causas e dá à empresa uma linha de como agir. Se possível, faça inventários mensais em produtos perecíveis e trimestrais nas demais seções, além de um balanço geral uma vez por ano.

 3º Utilizar guia-cega. Trata-se de cópia de nota fiscal de um lote recebido, com informações de  volume preenchidas por um funcionário após a contagem das mercadorias. Os dados devem ser inseridos no sistema para comparar informações desta com a nota emitida pelo fornecedor, identificando desacordos.

 4º Centralizar o lançamento das notas fiscais de compras. Scaneando as notas, elas irão direto para o sistema, sendo a matriz responsável pela conferência de preços e impostos e por liberar a guia-cega. Essa prática permite analisar custos item por item, evitando manias como fazer o valor total “fechar”. É o fim da perda financeira.

 5º Diminuir a quantidade de códigos de barra. Evita emissão de etiquetas fraudulentas, sobretudo no açougue, onde o problema é comum. Com menos códigos não existe a desculpa de “confusão” na emissão de etiqueta. Indicadores ajudam no controle, revelando o rendimento de cada corte.

 6º Sempre checar a validade. O ideal é aceitar itens com pelo menos 75% de vida útil, ou 75% do prazo de validade. Manter um mutirão semanal de vistorias nos prazos de validade.

 Seguindo essas dicas sua empresa irá reduzir as perdas, e potencializar os resultados da implantação de um setor de prevenção de perdas.

 
 
 
Zé Catral
Fonte:  sm.com.br
Foto: Divulgação

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 12 de março de 2012.