Ano a ano cresce a demanda por alimentos sem glúten. O Conselho Nacional de Saúde (CNS) estima que dois milhões de pessoas no Brasil sejam afetadas pela doença celíaca. A intolerância ao glúten, cuja ingestão prejudica a saúde é permanente, acometendo indivíduos com predisposição genética. Portanto, pode atingir crianças e adultos. Mas a procura por alimentos livres dessa proteína encontrada no trigo, no centeio, na aveia, na cevada e no malte ocorre também porque as dietas prescritas por nutricionistas que restringem o consumo de tais ingredientes estão se tornando cada vez mais comum.

 shutterstock_152379554

As dietas “detox” estão formando uma legião de apreciadores dos benefícios que a ausência de glúten propicia. São pessoas que buscam por mudanças no hábito alimentar. Para essas, os especialistas em saúde afirmam que esse tipo de dieta não contém qualquer contraindicação.

O principal desafio dos adeptos do regime é encontrar substitutos à altura do trigo e dos produtos com ele produzidos. Aos poucos, porém, crescem as opções para quem deseja tirar o glúten da dieta. Para atender à demanda, o mercado está se movimentando. Evidência disso é a Feira Glúten Free que acontece anualmente em São Paulo e que, desde a sua primeira edição, vem multiplicado o número de expositores de alimentos isentos da proteína e o de visitantes.

Também é abundante o volume de matérias publicadas, tanto nos meios impressos como nos eletrônicos, sobre a adequação de cardápios em restaurantes do país inteiro. Em Brasília, por exemplo, a mais recente edição do Restaurante Week – festival gastronômico que acontece duas vezes por ano em 20 cidades brasileiras – está sendo contemplada com alternativas de pratos criados com ingredientes que na sua composição não contenham glúten.

Estabelecimentos que produzam alimentos sem glúten em uma cozinha onde se manipula glúten devem buscar orientação a fim de evitar a contaminação cruzada. O pó da farinha de trigo no ar, equipamentos compartilhados com partículas de poeira de farinha, o uso comum de utensílios e equipamentos, a limpeza inadequada e falta de programação de produção de alimentos sem glúten e com glúten são as principais causas de contaminação cruzada que pode causar danos à saúde dos intolerantes ao glúten.

O portal Folha de São Paulo noticiou, no final de 2013, que bares e restaurantes que se adequarem às normas de preparo de alimentos sem a proteína, participantes de um programa da Fenacelbra (Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil) serão identificados com um selo fornecido por ela.

A tendência agora é o continuo crescimento, com centenas de novos produtos, serviços e negócios voltados a este setor tendo surgido recentemente. Além disso, o aumento na taxa de diagnóstico da doença celíaca e de outras condições nas quais a exclusão do glúten é praticada (como o autismo) deverão também contribuir para aumentar ainda mais a demanda no setor.

Você encontra apoio para novos negócios ou melhoria de negócios existentes na Catral, com entrega em todo o Brasil.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 11 de junho de 2015.