Comentários [2]

Conseguiu abrir o seu negócio, mas parece que ele não está conseguindo ir para frente como você esperava? A Catral te dá algumas dicas para ser um administrador eficaz para a sua empresa. Confira!

 

United around the table

 

 

O primeiro passo para administrar bem é sempre estar do lado do consumidor, explicando todos os detalhes dos produtos e ajudando na decisão de compra.

 

Também é extremamente importante defender o meio ambiente com ações sustentáveis dentro da própria empresa e estimular os clientes a realizaram ações assim.

 

Respeitar os concorrentes e ter ética no trabalho é fundamental para conquistar respeito e conseguir o seu lugar dentro do mercado.

 

Além disso, o administrador deve sempre estudar para se reciclar e buscar constantemente a perfeição. Claro que não é possível ser completamente perfeito, mas se o empresário buscar isso, conseguirá chegar bem perto.

 

Entender um pouco sobre softwares, internet, controle de qualidade, e compra de materiais e suprimentos é um diferencial que ajuda muito o administrador de uma empresa.

 

Muito interessantes essas dicas, né? Para deixar a sua empresa muito mais moderna, conte com os produtos de automação da Catral! Você pode conferir todos clicando AQUI.

 

Zé Catral
Fonte: Administradores.

Foto: Divulgação

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 29 de maio de 2013.

Comentários [0]

Faz tempo que você está querendo abrir o seu próprio negócio, e até já fez pesquisas e criou o plano, como ensinamos aqui? A Catral trouxe 12 dicas de empresários para te ajudar a se dar bem nos negócios. Confira!

 

 

Walter Mancini, do restaurante Famiglia Mancini. “Quando você cria um negócio, precisa perseguir o seu sonho, e não a moeda”. “O dinheiro é consequência.” “Você tem que gostar do que faz”, ensina.

 

Pedro Chiamulera, da ClearSale: Priorize as pessoas. Entenda quais são as motivações do funcionário e dê oportunidade para que ele exerça suas verdadeiras vocações dentro da empresa.

 

Marcos Di Cunto, da loja Di Cunto: “Existem ciclos no negócio, momentos muito bons, outros nem tanto, e é preciso ter isso em mente. Se a ideia é montar uma empresa com sócios familiares, busque características complementares. Se todos que trabalham no negócio tiverem o mesmo foco, o resultado aparece”, diz.

 

Antonio De Franco, da escola De Franco: Aposte na tradição a faça questão de divulga-la como principal diferencial.

 

Cássio Piccolo, do Frangó: Planeje onde quer chegar com o negócio e defina metas. “Falar tudo para todos é falar nada para ninguém”, afirma.

 

Marquinhos, da Mercearia São Pedro: “Quem quer começar um negócio com os pés no chão não deve esperar colher os frutos de saída. Pode não dar certo num primeiro momento. A gente começou pequeno, mas eu nunca tive dúvidas sobre a atividade. E é o que acontece em qualquer profissão: se você se dedica, uma hora dá certo.”.

 

Trasso, do Acrópoles: Desenvolva uma experiência mínima no segmento, e monitore todas as áreas que fazem a empresa funcionar bem durante todos os dias da semana.

 

Osvaldo Nunes, da Chocolândia: Entenda que é necessário dedicar parte da sua vida para fazer a empresa dar certo.

 

Aleksandar Mandic, da Mandic: “Dia desses alguém me disse que em três anos pretendia abrir um restaurante. Eu falei para essa pessoa que ela já estava quebrada. A melhor estratégia é não gastar tempo com excesso de planejamento e ir à luta”, afirma Mandic.

 

Semaan Halim Mouawad, da Semaan: Não tenha preguiça de trabalhar e não se prenda numa sala distante de escritório, fique perto dos funcionários. “No escritório eu não vejo se o pessoal está trabalhando, não vejo os clientes”, observa.

 

Vagner Lefor, da Long Jump: “Nunca se deve tomar uma decisão nervoso. Tomar a decisão com o coração, com a emoção, não é bom. É preciso decidir com a razão. Claro que pode usar o coração, mas nunca com a adrenalina alta”, recomenda.

 

Sebastião Rosa, da Imaginarium: “Eu era um bom médico, tive formação fora do País, mas não tinha arquitetura emocional para ser médico”, admite. É preciso fazer o que gosta.

 

Outros textos da Catral que podem te ajudar:

 

4 dicas para montar o próprio negócio neste ano.

Saiba qual é a idade ideal para abrir seu próprio negócio.

 

E aí, o que achou das dicas? Se ver que está pronto para começar o seu negócio, visite a Catral pessoalmente ou veja os produtos pelo nosso site, e comece com os equipamentos mais modernos do mercado!

Zé Catral

Fonte:  Abrasel.
Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 9 de janeiro de 2013.

Comentários [7]

Quando um novo ano começa, todo mundo faz planos para melhorar a vida, né? E um desses planos sempre está ligado à área financeira, em grande parte das vezes, a ter o próprio (ou um novo) negócio. Por isso, a Catral trouxe 4 dicas do professor de gestão estratégica do Insper, David Kallás, para te ajudar a abrir o seu negócio em 2013. Confira!

1. Realize pesquisas sobre o mercado: As chances de o seu negócio dar certo serão muito maiores se você investir num setor sobre o qual tem vasto conhecimento. E mesmo se você já souber algo sobre o mercado, é bom pesquisar profundamente antes do pontapé inicial. “A primeira coisa é entender como é o setor e quais são as principais oportunidades, ameaças e tendências interessantes”, afirma Kallás.

 

2. Saiba qual é o diferencial da sua empresa: Foque em um diferencial e invista nele. “Isso gera ideias de como posicionar o negócio dele. É preciso identificar oportunidades e achar diferencial para o negócio”, complementa Kallás.

 

3. Faça os cálculos de investimento: Decida como será a estrutura do seu negócio e calcule o investimento. “Tente identificar e colocar no papel como vai ser estrutura e descobrir qual seria o investimento, incluindo estrutura física, mobiliários e pessoal”, diz o professor do Insper. Não se esqueça de calcular os custos de toda a estrutura interna do negócio, planejar a meta de lucros e criar o plano financeiro detalhado de curto prazo para o próximo ano. “Outra coisa que é importante é o capital de giro”, indica Kallás. Também é bom bater um papo com empresários do mesmo ramo para descobrir qual será a média de investimento. “Precisa quantificar todo o dinheiro que vai precisar colocar no negócio. Se for de longo prazo, tem que aproveitar 2013 para guardar dinheiro ou buscar uma fonte de financiamento ou investidor”, afirma Kallás.

 

4. Crie o plano de negócios: Monte um plano de negócios bem abrangente, envolvendo estratégias, marketing e parte financeira. É ele quem vai dizer se o seu negócio é viável ou não. Também é essencial planejar se você vai trabalhar em outras empresas enquanto toca o negócio. “Tem que se planejar direitinho e ver se vai fazer enquanto está trabalhando. Precisa ir atrás da estrutura e recrutar gente. Buscar capacitação é uma coisa legal também. Isso já é um pouco o começo do negócio”, conta Kallás.

 

Gostou das dicas? Que tipo de negócio você pretende abrir em 2013? Conte sempre com a Catral para ter os melhores equipamentos do mercado!

 

Zé Catral

Fonte:  Revista Exame.
Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 2 de janeiro de 2013.

Comentários [0]

Numa viagem à Itália, em 2005, o empresário Joaquim Pedro Paes Leme provou o seu primeiro cubinho de polenta recheado com creme de champignon, e se apaixonou. “Depois de uns anos, em 2009, estava passando uns dias em uma pousada de um amigo no Rio. Em um dos jantares, sugeri testarmos aquela receita da Itália. Fiz uns copinhos de polenta recheados com caldo de aspargos. Todos amaram, foi um sucesso”, lembra Joaquim.

Vendo que as pessoas gostavam dos copinhos, o empresário, que é formado em publicidade, mas já tinha trabalhado com gastronomia e administrava um bufê na época, resolveu transformar isso num negócio. Juntou-se com sua prima Fabiana Paes Leme, e criaram a Juca Fubá.

Depois de lançar o produto em março de 2012, para inseri-lo no mercado, Joaquim usou a estratégia de degustação nos pontos de venda dos varejistas. “Quando o consumidor degusta e aprova o produto, ele leva para casa”, garante.

Distribuído para São Paulo e Rio de Janeiro, o produto já atende 80 clientes, entre supermercados, delicatéssen, bares e restaurantes, e a meta que esse número suba para 100, até dezembro. No início, a Juca Fubá vendia 6 mil polentas por mês, número que subiu para mais de 50 mil e tem crescido cada vez mais. Hoje, a média de faturamento bruto da empresa é de R$ 35 mil mensais, e o empresário espera um crescimento de 60% para 2013.

Com 24 unidades em cada embalagem, o produto é vendido congelado, e possui 4 formatos diferentes: redondo, quadrado, triangular e ovalado. O copinho pode ser consumido frito ou assado, e é recheado depois de pronto, com alimentos doces ou salgados. E se o consumidor não souber que recheio usar, não tem problema: as embalagens vem com dicas de recheio para ajudar o consumidor.

No mês que vem, Joaquim espera lançar um novo produto: copinhos recheados com gorgonzola. “Esse produto será lançado com foco no consumidor final, as pessoas que compram as polentinhas no supermercado”, explica. “Esse público já vem comprando os copinhos sem recheio. O que vem pronto será ainda mais prático.”

E até dezembro, o empresário pretende entrar com uma mistura de polenta para ser feita em casa, e com o recheio pronto para os copinhos. A Juca Fubá também deve criar novos sabores dos copinhos recheados, como o de carne seca com queijo cremoso.

 

Zé Catral

 
Fonte: Invertia
Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 15 de outubro de 2012.

Busca
Mais consultados
Conheça o nosso site
Vídeos
Curta nossa Fanpage
Siga-nos no Twitter
Ofertas exclusivas por e-mail