Comentários [0]

shutterstock_2287351

1- A propaganda continua sendo a “alma do negócio” no varejo. Portanto, convém separar uma verba para essa finalidade, principalmente para divulgar as ofertas.

2- No dia-a-dia, os vendedores ouvem sugestões, comentários e reclamações que se perdem. Acompanhe de perto as reclamações e estimule seus vendedores a prestar mais atenção em tudo o que os clientes falam e crie um processo de registro (pode ser um caderno embaixo do balcão). O importante é que não haja desculpas, do tipo “não deu tempo de anotar”. Repasse todas as informações colhidas em reuniões periódicas com a equipe.

3- Analise os desejos de consumo de sua clientela através de pesquisas de mercado junto ao seu público-alvo. Crie condições seguras e favoráveis para que os clientes possam adquirir o que desejam, mesmo não tendo todo o dinheiro naquele momento.

4- Aproveite o Natal para vender mais e ainda usar a proximidade com o público para cativar a clientela e torná-la fiel no novo ano, recomendando a loja aos amigos.

5- As pessoas não compram só por necessidade, a compra é emoção. Uma vitrine alegre e bonita é o ponto-chave para chamar a atenção da clientela. O apelo infantil, com bichinhos em movimento, luzes e cores em profusão, só ajuda.

6- O plano de comunicação dependerá dos recursos disponíveis da sua empresa. Uma pequena papelaria terá bons resultados se trabalhar bem a vitrine.

7- Aproveite o período das festas para cadastrar novos clientes, pratique um pós-venda eficiente e use o cadastro para futuras malas-diretas.

8- Procure conhecer o perfil do seu consumidor, para depois planejar urna campanha que ofereça respostas às suas necessidades e expectativas.

9- Os concorrentes, infelizmente, estão de olho no mesmo cliente que você. É preciso, portanto, chamar mais atenção, atrair mais, colocar chamarizes. Iniciativas que podem ser resumidas na expressão “criar um diferencial”, aquilo que só você tem e mais ninguém, ou poucos. Para fazer isso, você precisa conhecer muito bem o perfil do seu público, sob risco de o tiro sair pela culatra.

10- Os lojistas de rua devem investir em malas-diretas com cupons de descontos especiais, para atrair o consumidor.

Screenshot_3 Ar Condicionado Split 12.000 BTUs Smart Inverter Samsung
Por: R$ 1.699,00 à vista
ou 10x de R$ 169,90 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 1.614,05 à vista

Fonte: natal.sp.sebrae.com.br.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 27 de novembro de 2014.

Comentários [0]

shutterstock_149574587

1- Nas vendas a prazo, sempre consulte os serviços de proteção ao crédito antes de conceder crédito ao seu cliente;

2- Crie um sistema de analise de crédito para sua loja, analisando se o consumidor que quer comprar a prazo tem condições financeiras de arcar com o futuro compromisso assumido e se ele possui um histórico de bom pagador na praça;

3- Quando for viável, substitui-a o crediário próprio pela venda com cartão de crédito e débito. Desta forma você estará terceirizando o risco de calote com a administradora desses cartões;

4- Na venda a prazo de produtos de maior valor, verifique a possibilidade de firmar convênio com bancos ou financeiras. Nestes convênios quem concede o financiamento ao consumidor é o banco ou financeira e não o lojista;

5- Registre sempre o endereço completo e atualizado de seu consumidor. Sem estes dados a cobrança da dívida ficará muito prejudicada;

6- Para maior segurança nos recebimentos de cheques, evite aceitar cheques de terceiros e de outras praças;

7- Nas operações com cheque, por medida de segurança, solicite sempre que o consumidor apresente o cartão do banco, comparando a assinatura do cheque com a do cartão;

8- Coloque num lugar bem visível em sua loja a relação como os documentos que o consumidor deverá apresentar para a abertura do crediário;

9- Nas vendas a prazo, deve-se evitar que o consumidor comprometa mais do que 30% da sua renda líquida com o pagamento de cada prestação;

10- Nas vendas com cartão de crédito, peça sempre a apresentação de um documento pessoal do consumidor para conferir com os dados do seu cartão de crédito.

Screenshot_2 Impressora Fiscal Térmica MP4000THFI Preta Bematech
Por: R$ 2.279,00 à vista
ou 10x de R$ 227,90 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 2.165,05 à vista

Fonte: natal.sp.sebrae.com.br.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 25 de novembro de 2014.

Comentários [0]

shutterstock_2205265

1- A loja, obviamente, deve ser um lugar agradável de ficar. O desconforto encurta a visita e diminui as vendas. Tenha cadeiras extras (dobráveis) e, se possível, alguns brinquedos ou revistinhas para os pequenos. Uma criança agitada faz o cliente ter pressa de ir embora.

2- A vitrine é o cartão de visitas da loja. Se não encantar o consumidor, ele provavelmente não entrará e o comerciante perderá a oportunidade de venda, sobretudo na chamada compra por impulso.

3- Aposte nas vitrines e na comunicação visual para ganhar clientes e maior competitividade. O cenário precisa ser adaptado ao produto, à data e ao espaço da vitrine, mas nunca deve ser o elemento principal.

4- A vitrine é a vedete da decoração, evite repetir anos a fio o mesmo tema e elementos desbotados.

5- Para uma boa vitrine: a área central é seu ponto mais nobre e deve ser reservada para a mercadoria que você vende mais. Fica a cerca de 1,60 m do chão, no meio da vitrine. Essa mercadoria deve estar em primeiro plano. Coordene para que as cores fiquem harmônicas, obedecendo o espaço entre uma mercadoria e outra de no mínimo 10 cm.

6- Não descuide dos focos de luz, mantendo os mais fortes nas mercadorias que devem ter maior atenção do consumidor. Verifique sempre os spots.

7- Organize todos os preços, mantendo-os do mesmo lado em todas as mercadorias para neutralizar a sua interferência.

8- Produtos em alturas diferenciadas dão sempre uma sensação de ritmo e movimento.

9- Opte pela ambientação com jeito de residência, para o cliente se sentir em casa.

10- Use, no interior, elementos versáteis e móveis.

11- Evite excesso de balcões, para não criar barreiras entre cliente e vendedor.

12- Crie pontos focais na área de exposição, para destacar a importância de um produto ou de um mix (em lojas de roupas, por exemplo, mostrar como ficam peças combinadas; em alimentos, agrupar principais e complementares).

13- Mantenha-as sempre cheias, com os principais produtos bem visíveis. Deixe tudo muito limpo e impecável.

14- Em lojas de vestuário, abuse dos degradês, com peças em poucos dobramentos.

15- Coloque as araras em altura confortável para a clientela.

16- Quando a loja for self-service, deixe os preços bem visíveis.

17- A decoração serve para ambientar o produto e não para competir com ele, atente para a adequação do estilo proposto com o cliente, para que ele se enxergue usando aquele produto.

18- Qualquer comerciante, independentemente do tamanho do seu negócio, pode montar uma bela vitrine, basta usar a criatividade. Uma boa dica é usar materiais alternativos, ecológicos ou reciclados, comprar ou fazer parcerias com organizações de inclusão social é sempre uma boa maneira de encantar o cliente, que está cada vez mais consciente da sua responsabilidade como consumidor.

19- Cuidado para não transformar a sua vitrine num ambiente poluído: mostrar ”tudo” o que tem na loja dificulta a visualização e evita que o cliente se detenha para apreciá-la.

20- Atenção com os cartazes de ofertas, promoções, condições de pagamento ou liquidação: é necessário informar, mas com discrição.

21- Ao arrumar a vitrine, evite utilizar fio de nylon muito grosso, que pode ser visto de longe. O ideal é o de 0,20mm de espessura.

22- Cuide para que não haja mercadoria amarrotada, o que é fácil de ocorrer em momentos de grande movimento.

23- Evite expor juntas mercadorias de qualidade diferente ou sem afinidade, como por exemplo, um tecido de seda ao lado de outro para forrar colchões.

24- Fique atento à escolha de cores ao elaborar a sua vitrine, estudos comprovam que as cores têm influência direta no comportamento humano de acordo com as sensações que transmitem. Algumas dicas:

vermelho – remete a atividade, força, poder, paixão.

laranja – faz lembrar saúde, sol, verão.

amarelo – estimula o sistema nervoso, convida à ação, transmite vivacidade.

verde – sugere paz, esperança, faz lembrar natureza, juventude, vigor.

azul – é repousante, sugere calma, frescor, descanso, equilíbrio.

violeta – acentua atmosfera de profundidade, introspecção, misticismo.

branco – sugere pureza, leveza, limpeza, delicadeza.

preto – transmite elegância, sobriedade, austeridade.

25- Preço e formas de pagamento visíveis na vitrine atraem clientes.

26- As gôndolas e os corredores oferecem facilidade de circulação do público dentro da loja. Mas cuidado para não deixar espaços muito amplos para que a loja não dê a impressão de vazia.

Screenshot_2 Impressora Térmica de Código de Barras GC420 Zebra
Por: R$ 1.099,00 à vista
ou 10x de R$ 109,90 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 1.044,05 à vista

Fonte: natal.sp.sebrae.com.br.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 20 de novembro de 2014.

Comentários [0]

shutterstock_165698459

1- O auto-serviço é uma forma de deixar o consumidor à vontade para um contato mais íntimo com os produtos, escolhendo o que mais lhe agradar.

2- O brasileiro tem o hábito de deixar tudo para a última hora. Porém, a atenção dispensada aos retardatários deve ser igual. Mantenha os mesmos critérios de qualidade e atendimento até o final.

3- Se você depende de fornecedores ou terceirizados para prestar o seu serviço, fique de olho neles. Todo o esforço de atendimento irá por água abaixo se quem lhe presta o serviço de entrega em casa fizer a mercadoria chegar atrasada, danificada ou errada. Lembre-se: pela lei, a loja é responsável por tudo o que um prestador de serviços terceirizado faz.

4- Procure sempre inovar porque não existe cliente fiel a uma marca, produto ou loja; existe sim cliente fiel ao dinheiro e à sua satisfação. Ele é quem decide o que comprar; você o ajuda.

5- Lojas que não oferecem mix e atendimento segmentado, com alto nível de especialização, nem um mix amplo e com preços competitivos, terão sérias dificuldades de se manter em operação. A especialização não exige a concentração de toda a área da loja para um segmento. Podemos usar o conceito de store in store ou corner, ou seja, criar uma “loja” com mix e atendimento especializado apenas em uma área de seu ponto-de-venda, como um canto, uma ilha, um quiosque ou até mesmo uma gôndola, desde que bem sinalizada.

6- Lembre-se: conhecer o cliente pode representar o diferencial entre o seu negócio e o do seu concorrente. Para conhecer o seu cliente, você precisa observar e analisar quem faz compras na sua loja… A observação lhe fornecerá informações preciosas não apenas para conquistá-lo em datas comemorativas, mas durante todo o ano.

O lojista que conhece os desejos do seu consumidor, mesmo quando o mercado enfrenta períodos de baixa, consegue driblar as crises, porque estimula a compra a partir de uma vontade e não de uma necessidade.

7- Um aspecto fundamental é o treinamento em vendas e a sua importância, pois se uma empresa pretende melhorar a produtividade, o treinamento será a peça fundamental no processo. O balconista tem que informar e orientar o cliente sobre as características e atributos dos produtos, fazendo sugestões e tirando dúvidas, nunca incomodando o cliente tentando forçar a venda.

8- Estabelecer metas é importante porque define, ao balconista, o que se espera dele. Reconhecer, premiar e investir neste profissional também.

9- A quantidade de coisas que as pessoas adquirem está relacionada ao prazer que sentem no ato da compra. Conforto e bom atendimento são decisivos nessa hora.

10- Quer compre ou não, o cliente que entra na loja deve ser tratado como uma visita importante que chega à sua casa!

11- Nunca descuide do atendimento e, para ter certeza de que as coisas estão funcionando bem quando você não está na loja, deixe claro o que não deve acontecer na sua loja: vendedores mascando chiclete, pedindo coisas uns aos outros gritando, conversando assuntos pessoais, cantando a música que toca na loja, usando óculos escuros.

12- Para saber como é o atendimento: crie um “dublê de cliente” (ou cliente misterioso, comprador secreto, como quiser), alguém da sua confiança que vai comprar na loja e depois relata exatamente tudo o que aconteceu. É uma ferramenta de controle eficaz e barata. Com ela, você verifica, por exemplo, como estão o conhecimento de produtos, a agilidade, a simpatia e o atendimento. Esse comprador misterioso precisa repetir a dose por telefone (para medir o tempo de espera na linha) ou por e-mail (tempo de resposta, tom da mensagem).

13- Além das comissões habituais, dê prêmios para metas em grupo, para estimular que todos se ajudem durante o trabalho e não tentem atropelar uns aos outros.

14- Para uma atitude correta: vendedores mais seguros e experientes à frente evita situações embaraçosas como “vou consultar o gerente” ou “não conheço bem esse produto”, comprometendo a qualidade do atendimento e os resultados.

15- Motive a equipe com premiações, aumento de comissões, bônus. O importante é que todos estejam empenhados em vender mais!

16- Bom atendimento significa: gentileza, paciência, interesse e conhecimento do produto.

17- Estes são alguns itens odiados pelo público: música alta, balcão bagunçado, propaganda enganosa. Esses são obstáculos que podem ser superados com planejamento e organização.

18- O consumidor valoriza tudo o que facilita o momento de compras (ar-condicionado, estacionamento a preço justo, entrega em domicílio). Entretanto, ele valoriza, em primeiro lugar, a qualidade do atendimento. Só depois é que vêm produto e preço.

19- Uma troca de produto pode significar a diferença entre perder ou conquistar um cliente. Se o vendedor dificultar a troca, fizer cara de má vontade ou qualquer outra coisa, pode se despedir do cliente para sempre. Mas se trocar com boa vontade, como se fosse a coisa mais natural do mundo, a pessoa vai se lembrar disso na próxima vez em que for comprar qualquer artigo.

20- Use a ficha de cadastro para fazer uma pesquisa simples junto aos clientes (pontue o atendimento recebido – ruim, regular, bom, excelente – e peça sugestões de melhoria). É fundamental que o resultado seja lido, cadastrado e analisado com cuidado.

Screenshot_9 Leitor de Código de Barras a Laser Eclipse MK-5145 Preto Metrologic Honeywell
Por: R$ 279,00 à vista
ou 6x de R$ 46,50 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 265,05 à vista

Fonte: natal.sp.sebrae.com.br.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 18 de novembro de 2014.

Comentários [0]

Muitos empreendedores estão se consolidando no mercado de doces com a venda de brigadeiros, bolos, tortas e chocolates. Entretanto, a concorrência é forte e para ter um negócio de sucesso é preciso muita dedicação, ter criatividade para inovar e acompanhar as tendências do mercado.

 size_810_16_9_doce-de-leite

Coloque a mão na massa: O principal desafio do negócio é o de manter a qualidade e o padrão dos produtos. Para se dar bem nesse mercado, precisa ter um envolvimento próximo com o negócio. Doceria é algo que remete aos desejos das pessoas, então a qualidade, sabor e atendimento precisam ser nota 10. Um errinho qualquer, um granulado a menos pode fazer a marca perder um cliente fiel. Garantir o melhor produto, atendimento e ambiente é a participação ativa do empresário no negócio.

Foque na qualidade do produto: Se você vai investir nesse mercado, tenha bastante identidade com as características do negócio: é um produto sensível, é um segmento premium, com consumidores que buscam um conceito de marca.

Pesquise muito sobre o mercado: Para abrir uma doceria, é importante pesquisar bem o mercado e a concorrência e ter o produto bem desenvolvido.

Escolha uma especialidade: Os que investem nesse tipo de mercado têm que gostar da área de varejo. É necessário pessoas engajadas e que trabalhem bem no atendimento ao público, a fim de proporcionar as melhores experiências.

Tenha uma reserva de capital: É necessário estar sempre com novidades, reciclar e trazer tendências. Custos fixos altos e encargos trabalhistas são os principais desafios do negócio. Quem deseja entrar no mercado precisa ter conhecimento da área e especialização técnica. Além de fôlego financeiro, pois até se firmar no mercado a empresa passa por transformações e dificuldades.

Faça um bom planejamento: Novas empresas no segmento estão surgindo, o que aumenta mais ainda a competitividade e nos obriga a melhorar a cada dia. A recomendação dele para quem deseja abrir um negócio especializado em doces é ter intimidade com a área e um bom planejamento, desde o investimento, a produção e operação do novo negócio.

Screenshot_3 Impressora Térmica de Código de Barras GC420 Zebra
Por: R$ 1.099,00 à vista
ou 10x de R$ 109,90 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 1.044,05 à vista

Fonte: exame.abril.com.br.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 13 de novembro de 2014.

Comentários [0]

A crescente preocupação da sociedade com a qualidade de vida tem ampliado o mercado para negócios que investem em produtos naturais. A Casa de Sucos, embora não seja novidade no Brasil, tem conquistado cada vez mais esse público que visa uma vida mais saudável.

A grande variedade de frutas e o clima tropical atraem os clientes, que fazem de tudo para matar a sede no calor. Afinal, ninguém resiste a um suco de frutas fresquinho, espremido na hora. Produtos bem selecionados e uma boa localização vão garantir o sucesso do seu negócio.

O baixo investimento inicial e a possibilidade de oferecer produtos e serviços agregados tornam o negócio bem atrativo para você, empreendedor. A casa de sucos já faz sucesso nas principais capitais do país.

Os amantes dos produtos naturais vão agradecer.

 shutterstock_148721867

LOCALIZAÇÃO:

A localização do ponto comercial é uma das decisões mais relevantes para uma casa de sucos. Dentre todos os aspectos importantes para a escolha do ponto, deve-se considerar prioritariamente a densidade populacional, o poder aquisitivo dos consumidores locais, a concorrência, os fatores de acesso e locomoção, a visibilidade, a proximidade com fornecedores, a segurança e a limpeza do local.

Outros fatores de atratividade podem ser alavancadores do desempenho. Uma vizinhança com centros clínicos, academias, quadras de esporte, praias, clubes, parques e locais de prática de exercícios físicos auxiliam no acesso ao do público-alvo.

Alguns detalhes devem ser observados na escolha do imóvel:

O imóvel atende às necessidades operacionais referentes à localização, capacidade de instalação do negócio, possibilidade de expansão, características da vizinhança e disponibilidade dos serviços de água, luz, esgoto, telefone e internet;

O ponto é de fácil acesso, possui estacionamento para veículos, local para carga e descarga de mercadorias e conta com serviços de transporte coletivo nas redondezas;

O local está sujeito a inundações ou próximo a zonas de risco;

O imóvel está legalizado e regularizado junto aos órgãos públicos municipais;

A planta do imóvel está aprovada pela Prefeitura;

Houve alguma obra posterior, aumentando, modificando ou diminuindo a área primitiva;

As atividades a serem desenvolvidas no local respeitam a Lei de Zoneamento ou o Plano Diretor do Município;

Os pagamentos do IPTU referente ao imóvel encontram-se em dia;

O que a legislação local determina sobre o licenciamento das placas de sinalização.

Cabe ressaltar que a instalação da casa de sucos em suporte/plataforma de “trailer” não altera a natureza jurídica do negócio. O estabelecimento está sujeito à mesma regulamentação legal de outra loja qualquer, principalmente no que se refere à fiscalização e à vigilância sanitária. O quiosque não pode ser considerado móvel ou itinerante, pois funciona fixado no endereço para o qual o alvará de localização foi expedido. Na hipótese de comércio ambulante, com característica de loja móvel o empreendedor fica obrigado a obter licenciamento específico para cada local onde permanecer, o que é regulamentado pela legislação do município onde o empreendedor pretende explorar a atividade.

CUSTOS:

Os principais custos de operação de uma casa de sucos podem ser estimados considerando os seguintes itens:

Salários, comissões e encargos

Tributos, impostos, contribuições e taxas

 Aluguel, taxa de condomínio, segurança

Água, luz, telefone e acesso a Internet

Embalagens e descartáveis

Produtos para higiene e limpeza da empresa e funcionários

Recursos para manutenções corretivas

Assessoria contábil

Propaganda e publicidade da empresa

Aquisição de matéria-prima e insumos

Seguem algumas dicas para manter os custos controlados:

Comprar pelo menor preço;

Negociar prazos mais extensos para pagamento de fornecedores;

Evitar gastos e despesas desnecessárias;

Manter equipe de pessoal enxuta;

Reduzir a inadimplência, através da utilização de cartões de crédito e débito.

INVESTIMENTOS:

O capital necessário para investimento inicial na instalação de uma Casa de Sucos irá variar de acordo com o valor a ser gasto na aquisição do imóvel (luvas ou ponto comercial, se houver), obras de adaptação e porte das instalações.

Para referência do empreendedor, relacionamos abaixo alguns componentes do orçamento de investimento necessário à instalação de uma pequena Casa de Sucos:

Abertura da empresa

Capital de giro inicial

Equipamentos diversos (vide item EQUIPAMENTOS)

Estoque inicial de produtos

Letreiro

Marketing inicial

Mobiliário

Obras para adaptação do imóvel

Screenshot_2 Expositor Vertical Refrigerado 3 Portas 448 Litros VFRA-1450 Fricon
Por: R$ 6.499,00 à vista
ou 10x de R$ 649,90 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 6.174,05 à vista

Fonte: nominuto.com.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 11 de novembro de 2014.

Comentários [0]

A cozinha industrial é útil em diversos ramos de negócios, desde restaurantes até negócios de comidas prontas para consumo (quentinhas).

A engenharia de alimentos tem se desenvolvido rapidamente e com ela uma estrutura necessária para uma alimentação bem preparada em locais como hospitais, lanchonetes ou até em empresas de congelados e alimentos industrializados como iogurtes, queijos, derivados do leite e outros.

cozinha-industrial

Localização De Uma Cozinha Industrial

As cozinhas industriais são instaladas em restaurantes, plantas industriais e diversos lugares. O importante é que a cozinha tenha um alvará ambiental, um alvará dos bombeiros e outro de funcionamento, no caso de ser uma planta industrial a própria cozinha industrial.

Projeto Da Cozinha Industrial

A função de uma cozinha industrial é o preparo de alimentos de forma rápida e dinâmica, por isso, o ambiente de uma cozinha industrial deve proporcionar que as refeições sejam preparadas de forma a se produzir com higiene, funcionalidade, qualidade e produtividade. Essa é a função de uma cozinha industrial.

Para seu planejamento, alguns passos são importantes:

Primeiro, deve-se encontrar engenheiros e arquitetos competentes e que tenham experiência em projetos de cozinhas industriais.

Os profissionais de projetos em obras recomendam que não se deve fazer nenhum projeto com o tempo e orçamento apertado, ou seja, para planejar a cozinha industrial requer tempo, dedicação e orçamento.

Um bom profissional de arquitetura e engenharia é aquele que visita o estabelecimento e aponta todas as características do negócio antes de iniciar o projeto em si, ou seja, é necessário observar qual o fluxo de processos que serão realizados na cozinha industrial, qual a intensidade da clientela e qual o tipo de refeições. Com isso, ele projeta espaço, ambiente, equipamentos e tudo que for necessário.

Layout De Produção Da Cozinha Industrial

A cozinha industrial é um local de produção, por isso também se faz necessário uma observação dos fluxos de trabalho que serão realizados no espaço.

Ao montar o layout, deve-se considerar que as atividades sejam realizadas de forma rápida, que os funcionários não fiquem o tempo todo em um mesmo local, que o lixo não fique próximo ao preparo das refeições dos clientes e os fornos e fogões não estejam próximos aos refrigeradores, até por motivos de saúde.

Todas essas questões devem ser observadas pelos interessados na montagem de uma cozinha industrial.

O Que Considerar No Layout Da Cozinha Industrial

A cozinha industrial deve ser um ambiente funcional e longe de perigos, com capacidade de produção e segurança do trabalho. Todos sabem que a cozinha industrial é um local com vários riscos, por isso, todo cuidado é pouco e a segurança deve começar desde o projeto inicial.

Para que a cozinha industrial seja segura e funcional, ela deve ser projetada de forma que o layout tenha os devidos cuidados:

Opte por um piso antiderrapante para evitar escorregões e realizar uma limpeza mais eficaz, com esfregões e água.

Crie um espaço de armazenagem de material de limpeza que fique distante dos alimentos.

Tenha sinalizadores de pisos molhados.

Todas as lâmpadas devem ser protegidas com globos, pois se uma delas estourar, nem um resíduo cairá nas panelas.

Equipamentos

Para escolher bons equipamentos para a cozinha industrial é necessário que haja um estudo e pesquisa com a ajuda de um profissional experiente e que saiba identificar equipamentos de qualidade e originais, pois nesse ramo de equipamentos existe muita pirataria. Isso faz com que os empresários acabem comprando equipamentos de pouquíssima qualidade.

Para facilitar a sua analise e redução dos custos, é aconselhável ter um bom planejamento empresarial.

Os locais devem ser projetados com equipamentos que durarão cerca de 30 anos, não por questões de custos, mas por questões de durabilidade.

Lista e especificações de equipamentos:

Patru – é um equipamento colocado entre o fogão e a prateleira onde os garçons buscam a comida, a patru é uma espécie de térmica que conserva a comida quente.

Coifa – é essencial no ambiente de cozinha industrial, pois tem como função eliminar toda a fumaça do ambiente que se torna excessiva com o preparo de volumes de alimentos ao mesmo tempo.

Armários – são todos abertos, diferente dos armários domésticos.

Geladeiras – as geladeiras devem ter portas de vidro transparente para que não se perca tempo procurando ingredientes.

Se você se interessou pelos móveis, quem sabe sua vocação seja outra! Veja aqui como montar uma loja de móveis.

Cozinha Industrial E Vigilância Sanitária

O planejamento da cozinha industrial, se bem realizado, promove ações dentro das especificações de vigilância sanitária.

Na cozinha industrial bem planejada não há cruzamento de alimentos, evitando assim que as bactérias de carnes infestem outros tipos de carnes. É um cuidado que o empresário deve ter e que é simplificado com o uso de layout ideal de cozinha industrial.

Tendências Em Uma Cozinha Industrial

A cozinha industrial está inovando. Nesse ambiente, os clientes podem visualizar o preparo dos alimentos e verificar se os funcionários têm higiene, sendo que alguns clientes se tornam fãs da agilidade e dinamismo que há no funcionamento das cozinhas industriais.

Investimento

Para projetar uma cozinha industrial, os empresários têm custos com a contratação de engenheiros ou arquitetos, compra de equipamentos e planejamento em geral. Contudo, o investimento tem um retorno certo, pois a cozinha industrial bem planejada é capaz de produzir mais e com qualidade e segurança.

Antes de projetar as cozinha industrial, os empresários devem pensar em seu funcionamento e quais as necessidades e vantagens que a produção exige.

Leve sempre em consideração o investimento no negócio e, caso esteja achando muito alto, você pode ver nosso artigo sobre negócios com pouco investimento.

Outra questão a ser avaliada é o cardápio oferecido, quantidade de refeições, localização da cozinha industrial e gestão de estoques.

Screenshot_1 Refrigerador Frost Free 553 Litros Inox DF80X Electrolux
Por: R$ 3.999,00 à vista
ou 10x de R$ 399,90 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 3.799,05 à vista

Fonte: novonegocio.com.br.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 6 de novembro de 2014.

Comentários [1]

Naturalmente as feiras livres são locais de comércio tradicional, onde as pessoas costumam se reunir para comprar os mais variados tipos de produtos. Inclusive, existem feirantes que já estão nesse tipo de negócio há muitos anos e conseguem assim atingir excelentes resultados com suas barracas de feira, portanto é um negócio interessante para se trabalhar.

 feira livre

O QUE VENDER NA FEIRA LIVRE?

Uma das principais dúvidas de quem está iniciando agora ou pensando em começar é com relação aos tipos de produtos que serão vendidos. Normalmente é possível vender quase de tudo em uma feira livre.

#1: Vender frutas e verduras na feira livre

Dentre todos os tipos de produtos que podem ser vendidos, vender frutas e verduras é uma das melhores opções para se iniciar atualmente. Geralmente as feiras livres funcionam juntamente com a central de abastecimento, que é aonde os caminhões de frutas e verduras chegam para descarregar seus produtos, portanto os barraqueiros já recebem seus produtos e colocam a venda imediatamente.

Quando a região não é muito farta de produtos, a maioria vem de outras cidades ou estados brasileiros para serem distribuídos ali. Então é possível montar sua barraca de frutas e verduras na feira livre e vender sempre bons produtos para uma grande clientela. As barracas podem ser tanto fixas dentro da área de vendas ou mesmo desmontável nas áreas permitidas pela prefeitura (na maioria dos casos existem locais exclusivos para a venda desses produtos).

#2: Vender cereais e produtos para casa

Dentro de algumas feiras livres existem áreas com barracas fixas, onde os barraqueiros podem vender diversos tipos de produtos, como cereais, alguns utensílios para o lar, existem pequenas distribuidoras de produtos no atacado e muito mais. Aqui mesmo na minha cidade existe a feira livre e lá é possível encontrar uma grande quantidade de vendedores que trabalham com produtos diversos, então aí em sua cidade o ideal é procurar a prefeitura ou o responsável pela feira livre municipal para iniciar seu trabalho.

#3: Vender lanches em geral

É bastante comum também encontrarmos lanchonetes e barracas de lanches espalhadas pelas feiras livres. O motivo desse tipo de negócio é, simplesmente, o fato de a feira livre ser um local que atrai grandes quantidades de pessoas e todas elas estão muito propensas a comprar, sem falar que os lanches são comidas rápidas que despertam interesse em quase todos os tipos de pessoas hoje em dia.

Com isso, você pode montar uma lanchonete na feira livre, uma barraca de pastel também é um bom exemplo ou mesmo pequenos restaurantes, pois em determinados lugares os mini restaurantes nas feiras livres são muito procurados pelas pessoas. Portanto, a venda de produtos alimentícios tende a ser uma das melhores opções para vender em uma feira livre!

COMO TRABALHAR NA FEIRA LIVRE?

Montar uma barraca de feira livre para trabalhar pode ser um negócio muito bom em algumas cidades, porém sempre existem os dias de maior vendagem da semana (que são considerados os dias de feira), que as pessoas já estão acostumadas a ir fazer suas compras.

Para começar trabalhar na feira livre, você precisa primeiramente definir o que irá vender, procurar a prefeitura ou responsável pela feira livre para agilizar todo o processo de aluguel do seu espaço de trabalho e em seguida deverá procurar fornecedores para suprir sua barraca ou fabricar seus próprios produtos. Um ponto legal a se destacar nas feiras livres é que elas são lugares chamativos e muitos turistas que frequentam a cidade podem facilmente ir comprar produtos típicos ou fazer suas comprinhas básicas.

Sim, é possível ganhar um bom dinheiro todos os meses com seu negócio na feira livre, desde que consiga bons fornecedores, encontre um local bom para sua barraca e que consiga clientes fieis, já que geralmente a maioria das pessoas que frequentam as feiras já tem locais específicos para comprar seus produtos. Então para finalizar eu só espero que tenha gostado das dicas, que possa obter muito sucesso com seu negócio e até breve!

Screenshot_1 Balança Eletrônica Modelo 9094 sem Saída Serial Peso 3/6 Kg Toledo
Por: R$ 669,00 à vista
ou 10x de R$ 66,90 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 635,55 à vista

Fonte: montarumnegocio.com.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 4 de novembro de 2014.

Busca
Mais consultados
Conheça o nosso site
Vídeos
Curta nossa Fanpage
Siga-nos no Twitter
Ofertas exclusivas por e-mail