Comentários [0]

Self-service é uma forma de serviço que agradou ao público, os que procuram por diferentes motivos, dentre eles a economia de tempo e dinheiro. É um ramo que cresce muito e com tal crescimento, a boa comida não é mais diferencial para alcançar sucesso entre os clientes.

Além de qualidade e variedade, é preciso investir na ambientação, forma de pagamento, preços, enfim, agregar uma série de fatores que conquiste seu cliente tornando-o fiel.

Antes de abrir as portas, porém, tome cuidado com alguns detalhes preciosos. Observe bem onde quer instalar o restaurante. Dê preferência aos locais com escassez nesse tipo de serviço – o que poderá torná-lo valioso. E, claro, pesquise se há público na região, opte por regiões onde exista grande concentração de pessoas.

Faça uma pesquisa, conheça a concorrência e observe bem o que falta na área onde pretende se instalar. Lembre-se de avaliar o gosto das pessoas que vivem ou trabalham no local, o nível intelectual, padrão econômico, preferências. Com essas informações em mãos fica mais fácil saber que tipo de refeição preparar – simples, sofisticada, regional.

O modelo self-service vem atender uma necessidade da rapidez e praticidade dos dias de hoje. Mas não é apenas no dia-a-dia e nas ruas e shoppings que encontramos esse modelo. Em lugares de descanso e lazer, como hotéis fazenda, clubes e pesque-pagues os self-services também são encontrados, ou seja, as pessoas além de buscarem bons preços, não querem esperar muito na hora de fazer as refeições.

 shutterstock_121578847

Análise e planejamento

Investir em um self-service é um bom negócio. Porém, não basta apenas abrir as portas. Todo empreendimento exige, em primeiro lugar, um bom planejamento, pois é preciso conhecer e estudar aspectos, como legislação, localização, contratação, treinamento, cardápio, custos, enfim, tudo o que envolve o possível sucesso de um negócio.

Depois de escolhido bem o local a ser instalado, o próximo passo é aprender sobre administração de compras, estoques, vendas e finanças. Cadastrar fornecedores (conhecendo suas vantagens e desvantagens), fazer uma pesquisa de preço para adquirir os equipamentos necessários, decoração, divulgação. Além da seleção dos funcionários.

O trabalho em um restaurante deve começar cerca de quatro horas antes do horário de abertura – normalmente as onze. Além disso, é preciso estar preparado para surpresas como a chegada de grandes grupos de pessoas sem aviso prévio. Por isso, é fundamental ter uma pessoa atenta, de grande equilíbrio e bom senso à frente da gerência.

A quantidade de refeições servidas a cada dia, preços acessíveis, rapidez no atendimento e um bom conhecimento são fatores que influenciam muito no tipo de negócio que você está abrindo.

Equipamentos necessários para a montagem de um restaurante self-service:

Fogão industrial;

Freezers e geladeiras comerciais;

Processador de alimentos, liquidificadores industriais, espremedores para sucos;

Balcões térmicos – frio e a vapor;

Utensílios de cozinha;

Balança eletrônica;

Mesas e cadeiras;

Legislação.

Um restaurante é uma empresa comercial do ramo alimentício, portanto deverá obedecer à legislação especifica para esses casos. Procure a prefeitura da sua cidade para saber quais as regulamentações para a instalação da empresa. Para o funcionamento, são necessários inspeções e alvará de funcionamento. Geralmente as inspeções mais rigorosas são em relação à legislação sanitária. Conheça bem as normas e legislação especifica. Existem quatro aspectos básicos no código sanitário:

Aspectos construtivos e estruturais dos estabelecimentos;

Funcionamento dos estabelecimentos;

Registros, controles e padrões dos alimentos;

Fiscalização, infração e penalidade.

Estar sempre em dia com o cumprimento da legislação, que é realizada por autoridades federais, estaduais ou municipais, é fundamental, pois declarar falta de conhecimento não o livrará de multas por desobediência às normas. Lembre-se, isso nunca é aceito como desculpa! As consequências da falta de cumprimento das normas vão desde concessões especiais previstas em códigos e advertências até o cancelamento do alvará de funcionamento.

Os passos para abrir o seu empreendimento são os seguintes:

Registrar a firma individual ou o contrato social de constituição de sociedade na junta comercial;

Obter o número de inscrição no cadastro de contribuintes do ministério da Fazenda;

Obter número da inscrição estadual;

Obter alvará de licença na prefeitura;

Inscrição no INSS;

Registro no sindicato de classes;

Higiene.

Sem conhecer muito bem o código sanitário, não existe sucesso para o seu empreendimento. Além da preocupação com a qualidade dos alimentos e com a fiscalização, os consumidores estão cada vez mais atentos à qualidade dos restaurantes – o que faz com que o escolham pelo padrão de higiene e avaliação das instalações.

Primeira providência a ser tomada: Adequar o restaurante em relação às normas sanitárias e, claro, ter funcionários conscientes da importância desse cuidado constante. Como fazer isso? Por meio de treinamento de pessoal e rigorosa inspeção.

Alguns procedimentos a serem levados em consideração na hora da higienização:

As mãos devem ser sempre muito bem lavadas e higienizadas. Os manipuladores de alimentos não podem usar adornos, esmaltes e unhas grandes;

Uso constante de gorros ou bonés;

As frutas e verduras devem ser bem lavadas e ficarem algum tempo em produtos bactericidas ou vinagre;

Os utensílios devem ser lavados e higienizados logo após o preparo das refeições e o ambiente deve ser lavado e higienizado com produtos específicos;

O lixo deve ficar em local separado da cozinha e da despensa em sacos plásticos fechados;

As instalações devem ser dedetizadas de quatro em quatro meses;

Tomar todas as medidas para evitar a proliferação de insetos e roedores.

Screenshot_2 Fogão Industrial 2 Bocas Bravo Venâncio
Por: R$ 329,00 à vista
ou 8x de R$ 41,13 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 312,55 à vista

Fonte: empregoerenda.com.br.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 31 de julho de 2014.

Comentários [0]

Uma visita aos restaurantes de sushi locais possibilita uma mudança de ares divertida, alternativa às lanchonetes que servem hambúrgueres, comida mexicana e massas. Se você gosta de comida japonesa e tem uma veia empreendedora, abrir um restaurante de sushi pode ser um bom jeito de investir o seu dinheiro.

 shutterstock_54754693

Instruções:

1. Estude restaurantes de sushi bem-sucedidos. Visite aqueles que vão bem nos negócios e possuem clientes fiéis e satisfeitos. Leia artigos sobre donos de restaurantes prósperos e siga seus conselhos sobre como começar e comandar um negócio no ramo de restaurantes.

2. Faça um plano de negócios. Se você não sabe como montar um, contrate um consultor. Leve em consideração o aluguel, equipamentos, funcionários, móveis, utilitários, licenças e todos os demais gastos iniciais relacionados à abertura de um restaurante de sushi.

3. Encontre financiamento seguro antes de abrir seu negócio. Homens de negócios experientes sabem onde e como encontrar investidores. Existem sites para colocá-lo em contato com eles. Outras opções incluem utilizar sua própria linha de crédito com um nome empresarial ou procurar oportunidades de franquias de restaurantes japoneses.

4. Busque locações. Procure nas áreas com tráfego elevado e com muito movimento da sua cidade para ver onde é mais vantajoso abrir seu restaurante. Esses locais atraem pessoas que amam comer fora e gastar dinheiro.

5. Contrate sua equipe inicial. Coloque anúncios para garçom, caixa e preparadores de comida em sites de oferta de emprego e no jornal local. Contate escolas de culinária ou agências de recrutamento para restaurantes para encontrar gerentes e chefs de cozinha, ou ponha anúncios em revistas do ramo gastronômico.

6. Monte uma lista dos seus sushis, sashimis e teriyakis favoritos e crie um cardápio antes de abrir o restaurante. Seja criativo na preparação e apresentação das iguarias servidas nele. Logo seu restaurante de sushi atrairá muitos clientes.

Screenshot_1 Expositor Refrigerado Vertical VB40W Metalfrio
Por: R$ 2.890,00 à vista
ou 10x de R$ 289,00 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 2.745,50 à vista

Fonte: ehow.com.br.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 29 de julho de 2014.

Comentários [0]

Hoje em dia, abrir um açougue é uma aventura que requer um pouco de capital e alguns contatos, mas principalmente bastante autoconfiança, energia e perseverança. Confira algumas dicas de como abrir um açougue, como documentação, burocracia, finanças, fornecedores de carnes, processos de conservação da carne, devoluções, etc.

 shutterstock_182348903

Um dos aspetos chave ao abrir uma loja de carne e enchidos é a contratação de funcionários, pois a atenção ao cliente é bastante individualizada e por isso ter uma pessoa amável e atenciosa pode fazer com que os clientes voltem para comprar.

Se você pretende abrir uma loja de carnes, uma das coisas mais importantes é a localização, procure uma rua bastante movimentada, se possível para pedestres. Uma localização boa para este tipo de lojas são os mercados municipais ou perto de supermercados, uma vez que o público-alvo é geralmente o mesmo.

Uma das vantagens de montar uma loja de carnes é que não apresenta muitas dificuldades para levar a cabo, uma vez que não requer experiência prévia nem formação, embora seja útil saber como funciona este setor. Será ideal para pessoas empreendedoras e que estejam dispostas a adquirir conhecimentos sobre o funcionamento do negócio e do setor.

No que diz respeito às margens de um negócio de carnes, a primeira coisa a considerar é que os produtos são vendidos a preços diferentes e alguns deles perdem valor ou são considerados perda total. Assim, a margem bruta no preço de compra estimado pela indústria para uma pequena empresa que vende carnes e enchidos oscila entre os 20 e os 50%. Sobre o preço de compra terá de deduzir os desperdícios, que rondam os 10-20% da mercadoria comprada.

O setor dos açougues é um dos maiores subsetores do setor da alimentação, o supermercado é o estabelecimento mais estável para a venda dos seus produtos. Além disso, enquanto as vendas em produtos como os lacticínios, alimentos embalados, etc. cresceram nas grandes superfícies, a carne e os enchidos continuam a ser compradas principalmente em açougues tradicionais. Isto acontece porque a maioria dos consumidores associam mais frescura e qualidade da carne vendida em talhos tradicionais do que a vendida em supermercados e hipermercados, mas a maioria das compras feitas nas grandes superfícies têm maioritariamente, uma periodicidade de 15 dias ou um mês. A procura deste tipo de produtos vem principalmente do ambiente imediato da sua localização. Assim, os clientes são as famílias que vivem em zonas urbanas ou pessoas que passam frequentemente por essa zona. Por estas razões, recomendamos que abra um açougue em zonas de grande afluência e muita população.

A chave para o sucesso de um açougue é oferecer sempre carne fresca, de qualidade a preços competitivos e, sobretudo, um tratamento de excelência.

Para conseguir uma oferta de qualidade, é fundamental conhecer os gostos dos clientes e ir adaptando progressivamente a variedade dos seus produtos à medida das necessidades dos seus clientes. Por exemplo, atualmente há empresas que estão a expandir a sua oferta para produtos exóticos e orgânicos, enquanto que outras estão a introduzir a venda através da internet.

Uma boa maneira de saber que produtos é que os nossos clientes gostam e de tornar os clientes conscientes dos nossos produtos é dar-lhes a provar. Para isso, pode fazer degustações de novos produtos que pretenda incorporar na sua oferta.

Também é fundamental diferenciar-se da sua concorrência, mediante serviços que acrescentem valor para o cliente. Por exemplo, pode permitir que o cliente faça a sua encomenda por telefone, e se este não tiver disponibilidade para se deslocar ao supermercado, se pode fazer entrega ao domicílio.

A estratégia de preços de um açougue é desenvolvida neste projeto e deve basear-se em oferecer um produto de qualidade a preços competitivos. Portanto, o preço será orientado com base em preços competitivos, tendo em conta que haverá determinados artigos que terá de vender a preços agressivos, especialmente no início, para tentar atrair o cliente e testar os produtos.

Screenshot_4 Moedor de Carne C/NR12 CAF-22
Por: R$ 3.609,00 à vista
ou 10x de R$ 360,90 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 3.428,55 à vista

Fonte: negocios.umcomo.com.br.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 24 de julho de 2014.

Comentários [0]

A churrascaria pode ser um negócio bastante rentável dando às pessoas uma opção a mais para se deliciarem com um belíssimo cardápio que é a cara do Brasil. Criado no sul do Brasil, consiste no comércio de carnes assadas em geral que incluem picanha, frango, coração, lombo, costelinha, linguiça, maminha, fraldinha e outros oferecendo também saladas e acompanhamentos como molhos, farofas e etc. Os garçons devem servir as carnes em rodízio nos espetos e o cliente geralmente opta pelo que comer.

 shutterstock_190783358

Montar uma churrascaria sozinho ou com sócios?

O empreendedor de churrascaria pode começar um negócio individualmente ou com a parceria de alguns sócios. Isso possibilita que o negócio tenha um maior capital para investimento e assim melhorar os seus ganhos finais. Independente disto, o negociante deve se registrar como empresário e no caso das parcerias, criar uma sociedade empresária.

O empresário tem a autonomia de decidir sobre os parâmetros que estarão em evidência na churrascaria, podendo alterar desde os tipos de carnes servidos no dia até a localização e o nome da empresa. É importante que estas pessoas sejam realistas e tenham um bom conhecimento no ramo para evitar falhas muito graves. O período de funcionamento da churrascaria é variável, dependendo é claro da procura.

A melhor escolha deve ser amparada em aspectos objetivos e subjetivos. Os aspectos objetivos deverão estar devidamente argumentados no plano de negócios, como por exemplo a necessidade de mais capital para ter uma vantagem frente à concorrência. Já a parte subjetiva da decisão tende para os aspectos pessoais que envolvem a sociedade e poderão ser determinantes para a prosperidade do negócio.

Acompanhamentos da churrascaria

A churrascaria além de oferecer as carnes assadas em rodízio também fornece o arroz em guarnição, saladas, acompanhamentos e bebidas. As bebidas ficam por fora do rodízio e podem ser compradas por fora. O cardápio pode ter refrigerantes, cervejas, águas, sucos naturais, sucos em caixinha, etc. Além disso, as sobremesas também não podem ser esquecidas e são mais uma fonte de renda extra que a churrascaria dispõe para aumentar seus lucros. Antes do rodízio, muitos aperitivos por conta da casa podem ser servidos. Este é mais um momento de aproximação do cliente com a churrascaria, já que ele se sente acolhido e experimenta as especialidades da casa. No caso, pode-se investir em pastéis, massas diversas, bolinhos fritos, petiscos, frios e outros.

Bebidas alcoólicas não podem ser vendidas para menores de 18 anos e isto também deve ser atentado para evitar problemas e multas para o estabelecimento.

Instalações para montar uma churrascaria

As instalações da churrascaria podem ser alteradas de acordo com a vontade e disponibilidade de espaço que o empresário tem. Porém, fazem-se necessários alguns ambientes como sanitários para funcionários separados por sexo, lavatórios para que os funcionários façam a higiene das mãos, sanitários para os consumidores também separados por sexo. Quanto à decoração, o empresário pode contratar um decorador ou investir em materiais lisos e impermeáveis que facilitem a limpeza. Além disso, é bom que a iluminação esteja adequada e é claro, uma boa ventilação.

Vigilância Sanitária na churrascaria

A Vigilância Sanitária tem algumas regras que agem para estabelecimentos que manipulam ou produzem alimentos, garantindo assim melhores hábitos higiênicos para a população além da segurança. Alguns pontos vistos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária são o controle da saúde dos empregados que tem contato com os alimentos, e isso está fortemente associado à ocorrência de pessoas que tenham doenças parasitárias e infecciosas manipulando alimentos. Além disso, há um controle de pragas urbanas, vetores de doenças, higiene pessoal, uniforme dos funcionários, hábitos, higiene ambiental e outros. É importante que a churrascaria esteja em ordem com estes parâmetros para garantir a confiança do público e proporcionar os melhores serviços. Frequentemente a Vigilância Sanitária visita os estabelecimentos procurando irregularidades e certificando a regularidade de suas exigências. Muitas vezes os estabelecimentos são multados e podem até fechar as portas.

Divulgação da churrascaria

A churrascaria deve estar aberta principalmente nos finais de semana quando as pessoas geralmente decidem sair de suas casas e procurar um local diferente para almoçar ou jantar, por exemplo. Para saber os hábitos e gostos da população local, é possível fazer um estudo e formar as características que o empreendedor de churrascaria precisa para a divulgação atingir o público fortemente e leva-lo para conhecer o seu trabalho.

Outdoors podem ser um bom começo para a estreia da churrascaria, e aí os itens que devem ser preconizados são a eficiência do atendimento, a variedade de sabores, a facilidade de acesso, algumas vantagens e principalmente: o preço. É bom que o preço esteja ao agrado do consumidor, pelo menos no começo pois assim mais pessoas estarão frequentando a churrascaria e chamando outras pessoas, estabelecendo assim uma segunda divulgação: a de boca em boca. Sem custo, é a que pode auxiliar muitos negócios a fluírem, sendo uma excelente forma de conseguir mais clientes.

Escolha da localização para montar a churrascaria

Antes de mais nada, o empreendedor deve fazer uma busca para selecionar os possíveis locais para a abertura da churrascaria. Estes devem estar de acordo com o tamanho esperado, localização, instalações, serviços e alguns aspectos menos evidentes como o bairro e a vizinhança. Não seria interessante abrir uma mega churrascaria num bairro muito pobre e perigoso.

O local deve ter fácil acesso e possuir um estacionamento para veículos e descarga de mercadorias. O transporte coletivo também é essencial que dê condições das pessoas em encontrarem a churrascaria sem problemas. A vizinhança é muito importante de ser consultada para saber se o local é apropriado para começar um negócio. Hoje em dia muitos lugares inundam e ficam completamente inacessíveis por um período de tempo muito longo, e é ideal que haja este conhecimento, para, é claro descartar a hipótese de compra caso positivo.

O imóvel também tem de estar legalizado com os órgãos públicos devidamente e licenciados para começar a desenvolver a atividade em questão. Dependendo da cidade, alguns locais podem não ser aprovados pela prefeitura para começar algum tipo de atividade e é importante estar atento a isto para que não ocorram problemas mais tarde.

Documentação e legalização da churrascaria

A churrascaria deve emitir notas fiscais, levantar balanços e fazer toda a burocracia necessária para estar em legalidade com os órgãos públicos quando estiver em funcionamento. Porém, antes mesmo de funcionar precisa acertar muitos parâmetros como pagamento de impostos e taxas, assinatura de documentos comprobatórios e etc. Desta maneira é recomendado que você antes de montar o negócio já contrate um contador para cuidar do contrato social e toda a documentação prévia a abertura da empresa.

Perfil do empreendedor de churrascaria

O empreendedor de churrascaria deve ser uma pessoa que tenha experiência na área, tenha facilidade e acesso à compra de carnes de forma rápida, segura e com descontos. Além disso, ter algum conhecimento em marketing para discriminar entre as melhores formas de chegar ao consumidor e fazê-lo satisfeito, noções administrativas para controlar as finanças e fazer balanços prevendo reajustes, lucros, conformidades e irregularidades.

Para que o empreendedor se torne completo dentro destas características é necessário que estude muito o projeto da churrascaria, tenha acesso a outros tipos de negócios semelhantes para fazer comparações, faça cursos, frequente palestras, se dedique ao máximo para aumentar seus ganhos. Alguns profissionais tem mais facilidade em administrar uma churrascaria como chefes de cozinha e profissionais relacionados à gastronomia.

Investimento Inicial para montar uma churrascaria

O investimento inicial para começar uma churrascaria vai variar de acordo com a disponibilidade de renda que o empreendedor dispõe para começar o negócio. Churrascarias mais simples podem fazer um sucesso absoluto quando bem projetadas, assim como as maiores podem chegar à falência em pouco tempo se mal administradas. O segredo da churrascaria pode estar relacionado muito mais ao atendimento personalizado ao cliente, a maneira respeitosa e atenciosa dos empregados e o sabor da comida do que ao investimento em si.

Screenshot_1 Churrasqueira Esmaltada 11 Apolo
Por: R$ 1.599,00 à vista
ou 10x de R$ 159,90 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 1.519,05 à vista

Fonte: novonegocio.com.br.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 22 de julho de 2014.

Comentários [0]

Lanchonete é uma das ideias mais frequentes entre quem quer abrir o primeiro empreendimento. A aparente simplicidade e a distância com que as crises passam pelo setor de alimentação são fatores que seduzem os empreendedores em busca de um bom projeto. Mas gerenciar esse tipo de negócio não é tão simples assim: três entre cada cinco estabelecimentos abertos não resistem ao primeiro ano de funcionamento. Saiba o que é preciso fazer para abrir uma lanchonete de sucesso e crescer com ela.

 shutterstock_157891568

1. Planejamento

Por no papel qual o plano de negócios da empresa é o primeiro passo para ter sucesso e passar longe das estatísticas de fracasso.

A regra vale para todos os negócios, inclusive para lanchonetes. Analisar os concorrentes, definir o público-alvo, o tipo de serviço oferecido e o quanto de dinheiro será preciso investir são os primeiros movimentos para se estabelecer no mercado. “Planejar coisas básicas como calcular o capital de giro para pagar contas, por exemplo, é essencial”, ensina a professora do curso de Gestão de Empreendimentos Gastronômicos do SENAC, Concetta Marcelina de Prezio. “Muitas vezes o empresário esquece que muitas contas são pagas com cartão de crédito e o dinheiro demora para chegar”.

2. Ponto

Escolher bem o ponto em que a lanchonete irá funcionar é fundamental para que o planejamento dar certo. “As pessoas pensam que só porque não tem oferta em uma área, o novo estabelecimento terá publico imediato. Tente entender a região. Se não há demanda, não adianta criar a oferta”, aconselha Concetta.

3. Cardápio

A comida é o produto principal, e ela precisa ser boa e com preço adequado. “Cardápio honesto, bem feito, com pratos rápidos, sem muito improviso e sem muito requinte, mas que tenham qualidade e limpeza. Essas são qualidades essenciais no serviço de alimentação”, ensina o consultor do Sebrae Reinaldo Messias. Entregar o pedido exatamente como oferecido e no menor tempo é a chave para agradar o cliente.

4. Identidade

Corresponder as expectativas dos clientes pode ser mais difícil do que parece. Crie uma identidade para o negócio e respeite as características propostas. Em uma área comercial, é uma boa estratégia oferecer opções de pratos feitos na hora do almoço e oferecer opções de porções e bebidas no fim do expediente. A dica de Messias é explorar todas as possibilidades de ganho. “Loja fechada não paga aluguel. Aproveite o máximo o tempo que pode permanecer aberto para vender mais”, aconselha.

5. Serviço

“Ambiente, cardápio e serviço formam o tripé que sustenta o estabelecimento de alimentação”, diz Concetta. Além do ambiente adequado para o público escolhido, definidos no plano de negócio, o empresário precisa oferecer um serviço de qualidade e ficar de olho em sua equipe. “Um bom atendimento supera um prato que não saiu muito bom, uma conta errada, uma falha estrutural”, diz a professora.

6. Paciência

Calma e paciência são características imprescindíveis para quem quer se estabelecer no mercado. Concetta diz que demora cerca de um ano para que o negócio se pague e comece a dar lucros. “O primeiro ano é o mais difícil, é quando ainda se busca a estabilidade, o ponto de equilíbrio, nem ganha nem perde, só paga as contas”, avisa. Se o empreendedor confiar na seu plano de negócios e ter paciência, o sucesso é garantido. Caso a empresa não dê os resultados esperados, procure ajuda de especialistas.

7. Crescer

Se o negócio está bem e o lucro aumenta, é hora de pensar se existe a vontade de crescer. A pergunta principal é como. Adquirir o imóvel? Ampliar suas instalações, seus serviços? Messias dá a dica de definir os objetivos de crescimento antes de iniciar o processo. “Procure pegar um terço do lucro e invista no próprio negócio. Aplique outro um terço dos lucros em uma aplicação financeira segura e use a última parte dos lucros para projetos pessoais, se desejar.”

Screenshot_3 Sanduicheira Conjugada a Gás 95cm VSCG95 Venâncio
Por: R$ 219,00 à vista
ou 5x de R$ 43,80 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 208,05 à vista

Fonte: pme.estadao.com.br.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 17 de julho de 2014.

Comentários [0]

Você já desistiu de entrar num curso por falta de tempo? No caso da paulistana Cristina Freitas, de 51 anos, o problema era outro: a falta de residência fixa em virtude do trabalho, transitório, que a impedia de frequentar um curso regular.

 shutterstock_64946674

— Eu era gerente de filial de uma empresa de TV a cabo e viajava muito, parecia uma cigana. Com isso, eu não conseguia me matricular num curso comum.

A solução foi se matricular em cursos online de gastronomia, conta ela. O hobby, contudo, se transformaria em profissão quando a empresa na qual ela trabalhava passou por uma reestruturação, em outubro do ano passado, e ela foi demitida.

A partir disso, Cristina, que é formada em marketing, passou a produzir biscoitos (R$ 3,50), cupcakes (R$ 5) e panetones (R$ 65 e R$ 90), e levá-los para empresas e lojas na região onde morava, embalados com um cartão com telefone de contato. A estratégia deu certo e, no boca a boca, ela faturou R$ 8.000 em dezembro, seis meses após entrar no curso de gastronomia.

— No começo é um pouco difícil, eu ia [levar amostra nas lojas] na cara dura mesmo. Ganhava no antigo emprego R$ 10 mil e tenho intenção de manter e até aumentar essa renda. Pra isso é preciso se preparar, buscar conhecimento, ter planejamento… Se não, você morre na praia.

Cristina admite que as vendas caíram neste mês, mas afirma que já está procurando alternativas, como o site MamyCake, no qual oferece encomenda de doces e oficinas infantis.

Treinamento Online

De acordo com o responsável pela área de estratégia e pesquisa da Catho, Luís Testa, os alunos de cursos online são atualmente tão valorizados quanto os que frequentaram cursos presenciais.

— Qualquer uma destas modalidades (presencial e online) são igualmente importantes na qualificação profissional; são formas diferentes de atingir o mesmo objetivo. Ótimos profissionais, por falta de tempo, dificuldades de acesso ou outros motivos acabam não tendo a possibilidade de realizar cursos presenciais.

Segundo o CEO da Eduk, Eduardo Lima, se por um lado os cursos online têm a vantagem da flexibilidade, por outro exigem maior disciplina dos alunos, já que não há um professor para “puxar a orelha”.

Inaugurada em 2013, a empresa, que faz transmissão ao vivo e gratuita de cursos como gastronomia, artesanato e fotografia, já conta com 300 mil alunos e cursos entre R$ 80 e R$ 320.

— Apesar de nosso foco ser profissional, ou seja, proporcionar uma grana extra às pessoas, é interessante ver que hoje em dia muita gente está procurando [cursos online] por hobby. Há gente de todas as idades e gêneros.

Screenshot_2 Liquidificador Industrial 2 Litros C/IN LS-02MB-N Inox Skymsen
Por: R$ 859,00 à vista
ou 10x de R$ 89,90 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 816,05 à vista

Fonte: noticias.r7.com.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 15 de julho de 2014.

Comentários [0]

Montar uma sorveteria é uma excelente opção de investimento e representa uma grande oportunidade aos milhares de pequenos empreendedores que sonham em deixar seus empregos e tornarem-se seus próprios “chefes”. Nesse artigo, vamos explicar como montar uma sorveteria passo a passo e, principalmente, quais as principais dicas para que o empreendedor iniciante possa amenizar o risco e obter o maior retorno sobre o investimento e no menor tempo possível.

 shutterstock_98108381

Primeiros Passos para Montar uma Sorveteria

As 8 dicas que vamos apresentar para você têm como objetivo ajudá-lo a montar a sua sorveteria e devem ser aplicadas conforme a sua necessidade e, principalmente, conforme a região em que você atua.

DICA 1 – O Plano de Negócios da sua Sorveteria!

Desenvolva um plano de negócios para sua sorveteria. Desenvolver um plano de negócios é estudar o seu mercado, o local onde você vai atuar, a concorrência e principalmente seu público-alvo. Tente inserir em uma planilha todos os custos inerentes ao negócio, sejam fixos, variáveis e até os inesperados e tente prever os lucros que deseja. Planejar-se é a melhor forma de estar preparado para o futuro!

DICA 2 – Escolhendo um Ponto Comercial para Sorveteria!

Faça uma pesquisa de mercado para selecionar o melhor local da sua cidade. De posse do melhor local, selecione criteriosamente o melhor ponto comercial para estabelecer sua Sorveteria. Para montar uma sorveteria, indicamos sempre uma área mínima de 30m² e que já contemple 2 banheiros e, de preferência, com uma câmara que anteceda ao salão principal. Veja quantas pessoas caminham pela rua, o movimento de carros e se existem pontos comerciais ao redor.

DICA 3 – Como Obter o Alvará da ANVISA para sua Sorveteria!

Uma das maiores dificuldades em montar uma sorveteria é regularizá-la junto a ANVISA de sua cidade. Como você vai trabalhar com alimentos, as exigências são inúmeras e você deve iniciar a operação com o alvará de funcionamento, pois é passível de multa em caso de descumprimento. Para isso, entre em contato com a ANVISA da sua cidade.

DICA 4 – Reformando a sua Nova Sorveteria!

A reforma do ponto comercial costuma ser uma das etapas mais estimulantes. É fantástico montar uma sorveteria e ver o projeto ganhando corpo, mas é sempre importante que você tome cuidado para que seus custos não extrapolem! Certifique-se de que TODAS as exigências que a ANVISA de sua cidade solicitou estão sendo cumpridas, caso contrário, o fiscal não concederá o alvará até que você adeque o ponto comercial.

DICA 5 – Identidade Visual da Sorveteria!

Quando vamos montar uma sorveteria, devemos nos preocupar com a identidade visual, pois antes do cliente entrar para tomar o sorvete ele precisa “comer com os olhos”. Para isso, preocupe-se em desenvolver sua identidade visual (placas, banners, luminosos, etc.) que chamem a atenção, mas sempre seguindo a regulamentação da sua cidade ou estado.

DICA 6 – Desenvolvendo os Móveis da sua Sorveteria!

Os móveis são itens primordiais quando vamos montar uma sorveteria. Para isso, precisamos desenvolver móveis especiais, que são acoplados aos freezers do “self-service”, móveis térmicos para chocolates quentes, frios e as guloseimas que toda criança gosta. Os espaços devem ser bem trabalhados para que você economize e maximize ganhos, ou seja, não perca cantos e ganhe em rendimentos!

DICA 7 – Escolhendo o fornecedor de Sorvete da sua Sorveteria!

Quando estamos montando uma sorveteria, devemos nos preocupar com o fornecedor de sorvete, ou seja, a indústria que vai nos fornecer o produto pronto para vendermos aos clientes finais. Pesquise quanto tempo de mercado a empresa possui, quantos funcionários tem, qual a estrutura de logística, quantos clientes atualmente atendem e, principalmente, se você pode conversar com atuais clientes para coletar informações a respeito da empresa e dos produtos que ela comercializa.

DICA 8 – Escolhendo o Mix de Produtos da sua Sorveteria!

Na sorveteria, podemos trabalhar além do sorvete “self-service” e das taças convencionais, com outros produtos que agreguem valor ao cliente e que não fogem do seu controle. Dessa forma, você pode comercializar na sua sorveteria:

Açaí na Tigela

Milk-Shakes (diversos sabores)

Sucos

Refrigerantes

Cafés

Salgados leves (que você compre pronto e não precise fritar)

Screenshot_3 Freezer Horizontal Dupla Ação 2 Portas 546L DA550B Metalfrio
Por: R$ 2.299,00 à vista
ou 10x de R$ 229,90 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 2.184,05 à vista

Fonte: franquiasorveterialips.com.br.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 3 de julho de 2014.

Comentários [0]

Vender cocada pode ser sim uma boa opção. Nós podemos nos deparar com muitas opções de coisas para vender e esse é mais um caso onde o produto é muito simples e mesmo assim é possível obter lucros com ele. Para vender com uma boa intensidade nesse ramo de negócio, procure por pontos onde se concentram uma grande quantidade de pessoas, como nas escolas e praças. Trabalhando dessa forma, se torna mais fácil vender e obter rendimentos. Também não podemos esquecer que vender cocada é uma atividade sem muita concorrência, diferente de outras áreas como a venda de roupas, então a partir do momento em que se leva a sério esse tipo de negócio é muito mais fácil trabalhar, pois praticamente não terá concorrentes e seus produtos irão vender bem.

 shutterstock_148206617

Aprender fazer seus produtos também é importante

Essa não é uma obrigação para todas as pessoas, mas quando conseguimos fazer nossos próprios produtos podemos dar uma alavancada maior no negócio em geral, então nesse caso seria realmente importante, mesmo que em pequena quantidade, pois assim não dependeria exclusivamente de intermediários. O principal problema para todas as pessoas que trabalham vendendo produtos nas ruas é justamente conciliar os horários de fabricação com os horários de vendagem, então esse pode ser um fator que venha atrapalhar o crescimento do negócio e manter a mesma dependência dos produtos de outras pessoas.

Sobre a venda de cocadas

É uma opção válida e interessante de se trabalhar, mas é importante planejar muito bem antes de deixar tudo de lado para se dedicar somente a venda de cocadas. Um negócio só vai dar resultados se seu administrador tiver coragem de correr riscos e nesse caso não é diferente.

Screenshot_2 Fogão Industrial 2 Bocas Bravo Venâncio
Por: R$ 329,00 à vista
ou 8x de R$ 41,13 iguais sem juros
Pagamento no Boleto: R$ 312,55 à vista

Fonte: montarumnegocio.com.

Confira outros produtos no nosso site: www.catral.com.br.
Zé Catral

Foto: Divulgação.

Ofertas válidas somente para a data da publicação. Data: 1 de julho de 2014.

Busca
Mais consultados
Conheça o nosso site
Vídeos
Curta nossa Fanpage
Siga-nos no Twitter
Ofertas exclusivas por e-mail